domingo, 14 de agosto de 2016

Harry Potter and the Cursed Child, de J. K. Rowling (Harry Potter e a Criança Amaldiçoada)

Harry Potter and the Cursed ChildAutores: J. K. Rowling, John Tiffany e Jack Thorne
Editora: Scholastic
É bom?: ★★
Páginas: 320
Sinopse: A oitava história. Dezenove anos depois. Baseado em uma nova história original de J. K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany, uma nova peça de teatro por Jack Thorne. Harry Potter e a Criança Amaldiçoada é a oitava história na saga de Harry Potter e é a primeira história oficial a ser apresentada nos palcos. A peça estreará em Londres dia 30 de Julho de 2016. Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele é um famoso funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três crianças em idade escolar. Enquanto Harry se enrola num passado que se recusa a ficar onde deve, seu filho mais jovem, Alvo, tem que lidar com um legado familiar que ele nunca quis. Enquanto passado e presente se fundem, pai e filho aprendem a verdade desconfortável de que, às vezes, a maldade vem de lugares inesperados.


Harry Potter sempre foi e sempre será uma das minhas sagas favoritas de todos os tempos. Eu já li os livros em português duas vezes, estou lendo agora a série em inglês pela primeira vez, sem contar que eu já assisti aos filmes incontáveis vezes. Me lembro, quando eu era criança, de ter assistido Harry Potter e a Câmara Secreta pelo menos umas 30 vezes. O DVD que eu tinha tinha um joguinho muito legal e eu jogava aquilo todo dia. Você tinha que derrotar o basilisco. Meus irmãos e eu brincávamos de Harry Potter usando os livros enormes de enciclopédia do porão como se fossem livros de magia, usávamos canetas e galhos de árvores como varinhas, éramos quatro e cada um era de uma casa, e eu sempre era da Sonserina. Quando o Pottermore me colocou na Sonserina, soube que aquela era minha casa para sempre. Sempre me vi como uma pessoa ambiciosa e engenhosa. Mas uma coisa que sempre e entristeceu foi o fato da J. K. sempre afirmar em seu Twitter e no Pottermore que as pessoas da Sonserina podem ser pessoas boas, mas nunca abordar isso nos livros. Quando descobri que o oitavo livro seria a história do filho de Harry, Alvo Severo, que foi parar na Sonserina, meu coração parou.

Eu precisava deste livro.

Scorpius, Alvo, Rose e Delphi.
Mas, como eu também vivo no Reddit, eu li absolutamente todos os spoilers possíveis assim que a peça entrou em cartaz, então eu já sabia a história de cabo a rabo muito antes de colocar minhas mãos no livro, que só foi lançado no último dia de Julho, afinal. Confesso que eu me decepcionei horrores com as coisas que ouvi, mas não vou falar nada sobre isso por que não quero dar spoilers. Mas eu realmente pensei que não era possível que a J. K. tivesse escrito algo tão péssimo.

Mas eu tentei me despir dos preconceitos adquiridos pelos spoilers e baixei o e-book para poder ler e tirar minhas próprias conclusões.

A peça se passa dezenove anos depois do final de As Relíquias da Morte, e nosso personagem principal é Alvo Severo Potter, o filho do meio de Harry e Gina. Alvo e Rose (filha mais velha de Hermione e Ron) são amigos e estão indo para Hogwarts pela primeira vez. No Expresso de Hogwarts, Alvo conhece Scorpius Malfoy, filho de Draco Malfoy, e os dois logo viram amigos. Rose não fica feliz com isso. Quando Alvo participa da cerimônia do Chapéu Seletor, ele é colocado na Sonserina, para a surpresa de todos, inclusive a dele. Com isso, os primeiros anos de Hogwarts se passam. Alvo não é popular e apenas tem Scorpius como amigo. Alvo tem problemas com o pai, Harry, pois os dois tem uma certa dificuldade em se aproximarem.

Scorpius e Alvo, meus bebês, a salvação da peça.
Quando o terceiro ano em Hogwarts está prestes a começar, Harry, que trabalha no Ministério da Magia, está investigando o aparecimento de um vira-tempo clandestino. Ao mesmo tempo, Amos Diggory, pai de Cedrico Diggory, pede para que Harry volte no tempo e traga seu filho de volta à vida, já que é culpa de Harry que ele tenha morrido. Harry se sente culpado, mas conhece os perigos de voltar no tempo. Alvo Severo, no entanto, não conhece os perigos, e acha que pode fazer com que sua vida tenha algum significado fora ser Filho do Famoso Harry Potte, O Menino que Sobreviveu, ETC. se ele fizer algo de bom por si só. Quando Alvo e Harry tem um briga séria e dizem coisas terríveis um ao outro, Alvo convence Scorpius e fugir com ele do Expresso de Hogwarts para ir atrás de Amos Diggory. Alvo quer se oferecer para voltar no tempo e salvar Cedrico.

Amos tem uma sobrinha, Delphi Diggory, e ela está mais do que disposta a ajudar os dois garotos a encontrar o vira-tempo no escritório da nova ministra da magia, Hermione Granger-Weasley, e ajudá-los a trazer o primo de volta à vida.

A história se desenrola a partir de Alvo, Scorpius e Delphi tentando roubar o vira-tempo para salvar Cedrico Diggory e as consequências de mudar o passado. Acontece que mexer com o tempo é perigoso e nunca acaba bem (quem diria).

Eu queria, primeiramente, dizer que eu não gostei da história da peça. O roteiro em si foi preguiçoso, o arco da história não fez sentido, contradisse muitas coisas dos livros originais e eu não gostei do vilão. Mas acontece que a peça é divertida, eu ri alto em alguns dos diálogos, parecia mais uma comédia do que uma peça séria.

Eu gosto da capa, mas não da escolha de fonte na parte inferior. Por que colocar essa fonte grossa horrorosa???
Aliás, vou interromper minha resenha e perguntar: alguém aqui já leu ou assistiu Game of Thrones? Sabe naqueles capítulos/episódios em que grupos de atores fazem encenações exageradas e debochadas dos acontecimentos em Westeros? Então, eu imaginei essa peça mais ou menos assim: um grupo de atores bruxos decide fazer uma peça sem pé nem cabeça sobre Harry Potter e sua família no futuro. Isso me deu paz de espírito e me permitiu considerar a peça canon.

Enfim, a melhor parte da peça, para mim, foi o Scorpius Malfoy. O personagem dele é incrível, ele é divertido, sensato, amoroso, leal e muito, muito fofo. Outras personagens tiveram caracterizações boas, como a Hermione, a Gina, a professora Minerva. Alguns personagens, como o Ron, só serviram como alívio cômico, e outros personagens pareciam outras pessoas, como o próprio Harry. Foi ótimo rever personagens tão queridos, principalmente aqueles que apenas tiveram uma pequena participação, como o Hagrid, o Dumbledore, o Draco, e alguns outros. 
Shippo sim e ninguém vai me impedir.
Mesmo com todos os seus defeitos, que são muitos, sim, a peça consegue ser emocionante. Eu, mesmo não tendo gostado da história em si, adorei as cenas de magia, os diálogos e conversas do Alvo e do Scorpius eram hilários e fofos (inclusive, eles são um casal na minha cabeça), e realmente me emocionei e gostei do final.

Eu dei três estrelas para o livro pois, a pesar de tudo, eu gostei da leitura. Li um livro de trezentas páginas em e-book (note, eu odeio ler e-books) em dois dias e realmente adorei ter lido. Foi uma leitura divertida, emocionante, chorei sim lendo e a história significou algo para mim.

Eu vou comprar a edição em inglês assim que eu tiver dinheiro, e provavelmente também comprarei a edição em português, pois sou dessas. Eu amo Harry Potter e recomendo este livro para quem é fã da série, mas peço cautela: não vá com muita sede ao pote, pois não é tudo isso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, ser (in)humano! Tudo bão?
Então, seje feliz e comente o que quiser! Só não vale ser preconceituoso, postar conteúdo indevido ou me encher de spam (eu tenho lotes para capinar, sabia?).
Caso tenha alguma pergunta sobre o post, pode comentar que eu responderei dentro de 24 horas. Mas, se quiser, pode me mandar um e-mail! Meu endereço é: nlbrustolin@hotmail.com
Divirta-se =D