segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Aviso importante

Oi galerinha!
Vou ser breve por que digitar no celular é a pior coisa que existe. Meu computador pifou completamente (não sei o que aconteceu, mas teve que voltar para a fábrica. Graças a Deus o a garantia cobre o estrago) e por isso não tô usando nada. Nem skoob, nem twitter, nem facebook. Nada.
Eu tenho usado pelo celular no máximo o facebook, que ainda é ruim.
Olha, meu blog não vai sumir.Não sou que nem esse mundo de blogueiros que finge ter um problema com o computador e nunca mais atualiza o blog. O problema é que meu computador pifou até a alma e vai demorar um mês pra arrumar. No mínimo.
Sabe aquela promoção de natal? Esqueça, ela será prolongada para não sei quando.
Bom, eu volto. Prometo.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Tão Ontem, de Scott Westerfeld


~ ♥ ~

Oi Galerinha, tudo em cima?
Estou meio desanimada nesse último mês. Comprei cinco livros pelo Submarino há mais de três semanas e nada deles aparecerem. Estou começando a ficar desesperada D=
Mas o bom é que acabei de voltar de uma viajem que fiz até São Paulo. Lá assisti Atividade Paranormal #4 e A Possessão. Gente, a luz acabou enquanto assistíamos AP e eu gravei cenas assustadoras dentro do cinema, em breve postarei. Mas vamos falar de coisa boa, a nova tek pix tem câmera digital, é MP3, MP4, filmadora..., estre livro do Scott é mais um que você TEM QUE adicionar na sua lista de "vou ler"! 


Título original: So Yesterday

Autor: Scott Westerfeld
Editora: Galera Record
É bom? ★★★★★
Sinopse: Romance, ação, mistério e uma boa dose de sátira, "TÃO ONTEM" é um romance fascinante, que vai fazer você questionar tudo que sempre pensou sobre o que é ser cool.
Você já pensou em quem foi o primeiro a usar a carteira presa por uma corrente ou quem começou a usar calças grandes demais de propósito? E o primeiro a usar o boné virado para trás? Esses são os Inovadores, as pessoas no topo da pirâmide de consumo. Aos 17 anos Hunter é um Caçador de Tendências, os segundos na pirâmide. Seu trabalho: identificar o que há de mais novo e legal para o mercado seguir. Seu modus operandi: observar sem se envolver. Mas a partir do momento que ele conhece Jen, uma Inovadora, ele não consegue evitar se envolver. E muito.

Hoje venho com a resenha do livro Tão Ontem, do Scott Westerfeld. Dele só li a série Feios e devo dizer que gosto muito da narrativa dele. Agora, se eu já gostava dele escrevendo em terceira pessoa, confesso que AMEI a narrativa dele em primeira. Eu até prefiro a narrativa quando é em terceira pessoa, mas ele me conquistou muito.

O maior ponto forte dos livros do Scott (principalmente de Tão Ontem) é que ele cria personagens incríveis e ímpares. O Hunter e a Jen eram incríveis, cada um com uma personalidade e visual únicos.

O livro conta a história de Hunter. Ele é um blogueiro, mas ao invés de resenhar livros ele fala sobre roupas e moda. Mas não, ele não é gay. Na verdade, ele é mais do que apenas um crítico de roupas, ele é um Caçador de Tendências. Afinal, o que é isso? Uma pessoa como ele tem uma posição definida da pirâmide hierárquica do consumo como aquele que decide o que é e o que não é cool e então entrega isso tudo ao mundo, que irá comprar os produtos a partir da crítica dele. Mas ele não é o único, é claro. Além de que os Caçadores de Tendência não estão no topo da pirâmide. Acima deles estão os Inovadores.

Os Inovadores CRIAM as coisas que os Caçadores de Tendências AVALIAM. Sabe aquela trança que parece espinha de peixe? Ela com certeza foi popularizada graças a alguém que gostou da ideia. Mas a pessoa que CRIOU essa trança, essa sim, é um Inovadora. E, no livro, a Inovadora é Jen. Mesmo que não saiba.

O melhor do Scott é que ele sempre trás umas situações sem nexo ou simples demais e as transforma em algo MUITO interessante. 

Num belo dia, Hunter está passeando por aí com um telefone novo que tira fotos (ele recebeu esse telefone para verificar se ele é apto para ser a próxima moda). Ele, então, esbarra em Jen, que está amarrando seus sapatos com um laço lindo e sente-se encantado pela criatividade. Tira uma foto do laço e manda para sua chefe ver o que acha. Pois é, tem chance de ser a próxima moda!

Depois de uma breve conversa e conseguir a foto, Hunter percebe que essa garota - Jen - é mais que uma garota comum: ela é uma Inovadora. Ele decide levá-la para assisti à prova de um comercial que ainda não foi ao ar. 

Como Jen é uma Inovadora, logo causa um pequeno dilema no grupo por notar um erro óbvio no comercial: Falta-uma-mulher-negra (isso é muito bem explicado no livro e eu particularmente já havia pensado o mesmo). Mas Jen torna-se um alvo de especial atenção e Mandy, a chefe de Hunter, os convida para dar uma conferida no novo produto de uma empresa. Os dois chegam juntos no local marcado mas - surpresa! - Mandy não está lá. Mas o celular dela está e os dois temem que ela foi sequestrada.

O livro então vira uma espécie de investigação meia-boca. Não entenda mal, é tudo MUITO divertido e super bem organizado. Mas é que Jen e Hunter não são detetives e acabam fazendo cada coisa que dá vontade de estapear os dois em alguns momentos. Mas não por que são chatos, jamais! Na verdade, os dois são personagens incríveis.

Toda a história de Tão Ontem, além de uma aventura muito sem nexo envolvendo festas em museus, bebidas misturadas com suco, Shampus misteriosos que deixam seu cabelo roxo e flashs de câmera cegantes, é uma crítica social. Ao mesmo tempo em que estamos evoluindo tecnologicamente, estamos virando muito consumistas. O livro mostra isso de forma muito interessante através de alguns personagens secundários que fazem toda a diferença.

É isso gente, leiam o livro por que ele é muito legal. A capa dele é linda, não acham? Okay, vou voltar ao meu trabalho de Caçadora de Tendências e ler muitos livros para recomendar a todos =D

Espero MESMO que leiam este livro um dia. É uma daquelas histórias que te deixam com um sorriso bobo após terminar.

Recomendo!




sábado, 3 de novembro de 2012

Desejados #7


Eu sei que faz tempo que não faço um Desejados, acho que esqueci essa coluna '-' 
Enfim, vim atualizá-la no dia de hoje. Espero que gostem dos livros escolhidos! Dentre eles, desta vez, há um livro de quase vinte anos atrás, um lançamento e dois livros nacionais pelos quais sou LOUCA!


Tony & SusanHá vinte e cinco anos, Susan Morrow deixou Edward Sheffield, seu primeiro marido. Certo dia, instalada confortavelmente na casa em que mora, com os filhos e o segundo marido, inesperadamente ela recebe, pelo correio, um embrulho que contém o manuscrito do primeiro romance escrito por Edward. Ele lhe pede que leia seu livro: Susan sempre foi sua melhor crítica, justifica. Tony e Susan, de Austin Wright, publicado originalmente nos Estados Unidos em 1993, ganha nova edição, dezoito anos depois de seu lançamento, por se tratar, segundo seus editores, da “mais impressionante obra de arte da ficção americana desde Revolutionary Road, de Richard Yeats”, publicado no Brasil como Foi apenas um sonho. Ao iniciar a leitura, Susan é arrastada para dentro da vida do personagem Tony Hastings, um professor de matemática que leva a família de carro para a casa de veraneio no Maine. Quando a vida comum e civilizada dos Hastings é desviada de seu curso de forma violenta e desastrosa, Susan se vê novamente às voltas com seu passado, obrigada a encarar a própria escuridão e a dar um nome para o medo que corrói seu futuro e que vai mudar sua vida.

Sou louca por este livro. Li uma crítica sobre ele na revista Veja e desde então quero muito comprá-lo. Acho a capa ímpar, não podia combinar mais com o livro. Eu adoro dramas, então acho que este livro não me decepcionaria. Mas não se engane: gosto de dramas, não de livros água-com-açúcar.

Sob a RedomaEm um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer. Os moradores de Chester’s Mill percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem, aparelhos eletrônicos entram em pane ao se aproximar da redoma e a situação fica ainda mais grave quando a cidade se vê exposta às graves consequências ecológicas da barreira. Para piorar a situação, James “Big Jim” Rennie, político dissimulado e um dos três membros do conselho executivo da cidade, usa a redoma como um meio de dominar a cidade. Enquanto isso, o veterano da guerra do Iraque, Dale Barbara, é reincorporado ao serviço militar e promovido à posição de coronel. Big Jim, insatisfeito com a perda de autoridade que tal manobra poderia significar, encoraja um sentimento local de pânico para aumentar seu poder de influência. O veterano se une a um grupo de moradores para manter a situação sob controle e impedir que o caos se instaure. Junto a ele estão a proprietária do jornal local, uma enfermeira, uma vereadora e três crianças destemidas. No entanto, Big Jim está disposto até a matar para continuar no poder, apoiado por seu filho, que guarda a sete chaves um segredo. Mas os efeitos da redoma e das manobras políticas de Jim Rennie não são as únicas preocupações dos habitantes. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva. 

Stephen é o rei (infame, eu sei). Já li uns sete livros dele e amei todos de paixão. Meu preferido é, de longe, O Apanhador de Sonhos. Vi nas internets que esse livro é enorme, e acho que foi esse o motivo pelo qual mais me senti atraída pelo livro. Ele me lembrou um pouco o livro Gone, já que também há uma espécie de redoma naquela cidade. Como é de se esperar, o Sir King irá nos surpreender com uma história incrível! Desta vez, imagino, um drama! Além de que a capa é o máximo *----------*

Kôra - O Pressentimento do DragãoDe uma forma estranha, sempre me achei diferente das outras pessoas, nem melhor, nem pior, mas intrinsecamente diferente. Porém, nem isso me fazia acreditar que coisas extraordinárias pudessem acontecer comigo, até a chegada do inverno. Com a ajuda da família e amigos, consegui aos poucos voltar a ter minha vida de antes. Mas isso, não durou muito. Podia prever que um furacão estava prestes a devastar minha vida, era só uma questão de tempo. Estranhamente, com a chegada do misterioso e atraente Herodes na cidade, eu estava certa de que algo errado estava acontecendo e de que estava aumentando cada vez mais. Eu não tinha certeza se queria saber a história dele. O medo de ser algo com que eu não soubesse lidar era maior do que qualquer curiosidade que pudesse existir. Mas assim que soube, segurei o choro por ter a certeza de que agora meu pesadelo estava prestes a começar. 

Li muitas resenhas positivas sobre este livro e ESTOU MALUCA PARA LÊ-LO! A capa é maravilhosa (recentemente descobri que tem detalhes dourados). É meio sobrenatural, mas puxado para o tema dos dragões, não vampiros ou lobisomens. Quem não gosta de dragões? Gente, necessito! D=

GOUm homem está escrevendo um livro. Enquanto não chega ao capítulo final, ele precisa solucionar uma amor mal resolvido, encontrar a verdadeira motivação para escrever e aprender, de uma vez por todas, como preencher o seu buraco no peito, metáfora persistente da sua interminável solidão. Este livro é sobre o porquê da nossa existência, acompanhado de um set list perfeito para se ouvir em noites estreladas numa cidade grande e solitária. GO é um livro que vai além das palavras, porque seu objetivo não é apenas ser uma leitura prazerosa, mas o agente de uma mudança. GO é uma palavra de ordem. De não desistir nunca. De buscar o significado da vida. GO. Faça alguma coisa por você e pelos seus sonhos. GO. Leia. É o começo.


Meu namorado (Victor) leu Go, do Nick Farewell (meio coreano, nome americano, mas brasileiro. É) e disse que é seu favorito. Infelizmente ele pegou emprestado na escola e não pode me emprestar #triste. Vou tentar convencê-lo a escrever uma resenha sobre este livro. Na minha opinião, eu não daria nada pela capa. Mas de tanto ouvi-lo falar desse livro, quero muito lê-lo!

É isso, pessoas! O que acharam? Quais leriam e quais não leriam? Tem alguma ideia para um post futuro? COMENTEM!

Beijos,
N!