sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Desafio de leitura de 2015 - Janeiro


Olá, caros mochileiros e mochileiras! Como estão?
Como prometido, na última sexta-feira de cada mês eu vou postar uma pequena atualização de como anda o meu aproveitamento no DESAFIO DE LEITURA DE 2015. Vamos agora mostrar os itens que eu graciosamente cumpri neste atribulado mês de janeiro:

1) Ler um livro com mais de 600 páginas
2) Ler três livros clássicos
3) Ler um livro que virou filme Capitães da Areia, de Jorge Amado
4) Ler um livro que virou seriado
5) Ler o primeiro livro da série Game of Thrones
6) Ler um livro cujo idioma original é o espanhol
7) Ler um livro com números no título
8) Ler um livro escrito por alguém com menos de 30 anos Legend, de Marie Lu (hoje ela tem 30 anos, mas quando publicou o livro tinha 27)
9) Ler um livro com personagens não humanos
10) Ler um livro de comédia O Xangô de Baker Street, de Jô Soares
11) Ler um suspense/mistério O Xangô de Baker Street, de Jô Soares
12) Ler um livro de contos e/ou crônicas As Crônicas de Bane, de Cassandra Clare, Sarah Rees Brenan e Maureen Johnson
13) Ler um livro oriental
14) Ler uma biografia
15) Ler uma autobiografia
16) Ler um livro nacional contemporâneo
17) Ler o livro de estréia de um autor Legend, de Marie Lu
18) Ler um livro que faz parte da lista do Charlie de As Vantagens de Ser Invisível
19) Ler um livro recomendado por um amigo Capitães da Areia, de Jorge Amado, que meu namorado elogiou tanto que eu PRECISEI ler
20) Ler uma fantasia medieval
21) Ler um livro que é o spin-off de uma série
22) Ler um livro em um dia Legend, de Marie Lu, tão legal que nem dá para largar
23) Ler um livro que se passe num lugar que quero visitar
24) Ler uma trilogia Trilogia Legend, adivinha o nome da autora!
25) Ler um livro com resenhas negativas
26) Ler um livro da minha infância O Pequeno Vampiro, de Angela Sommer-Bodenburg, um livro que me deixou sem dormir no auge dos meus sete anos
27) Ler um livro com triângulo amoroso Legend. É um triângulo amoroso sem muito drama desnecessário
28) Ler uma graphic-novel
29) Ler um livro de um autor que eu não conhecia
30) Ler um livro emprestado


Apenas um mês se passou e já consegui cumprir 11 itens da lista! Tá certo que com um livro dá para eliminar vários itens, mas a agora que vários dos desafios mais fáceis se foram vai ser mais difícil completar tudo.

Em janeiro eu li:

Capitães da Areia O Mágico de Oz O Pequeno Vampiro As Crônicas de Bane Legend Prodigy Champion O Xangô de Baker Street 

Li 8 livros em janeiro, o que parece muito, mas se você analisar que eu li dois livros infantis com menos de 250 páginas e li a trilogia Legend, tendo cada livro mais ou menos 300 páginas, então não li muita coisa. No entanto eu admito que foi um mês de ótimas leituras! =D

Capitães da Areia foi um livro maravilhoso, que me fez começar o ano com o pé direito. Terminar de ler a trilogia Legend depois de mais de um ano me deixou muito contente, e reler O Xangô de Baker Street e O Pequeno Vampiro me trouxeram excelentes lembranças. Posso dizer que o mês valeu a pena *-*

E que venha fevereiro e mais livros incríveis!

Beijos e até o próximo post! :*

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Whiplash - Em Busca da Perfeição


Whiplash - Em Busca da Perfeição (Whiplash) - Poster / Capa / CartazTítulo: Whiplash - Em Busca da Perfeição
Título original: Whiplash
Tempo de duração: 106min
Direção: Damien Chazelle
Roteiro: Damien Chazelle
Gênero: Drama, musical
É bom? ★★★★★
Sinopse: O solitário Andrew (Miles Teller) é um jovem baterista que sonha em ser o melhor de sua geração e marcar seu nome na música americana como fez Buddy Rich, seu maior ídolo na bateria. Após chamar a atenção do reverenciado e impiedoso mestre do jazz Terence Fletcher (J. K. Simmons), Andrew entra para a orquestra principal do conservatório de Shaffer, a melhor escola de música dos Estados Unidos. Entretanto, a convivência com o abusivo maestro fará Andrew transformar seu sonho em obsessão, fazendo de tudo para chegar a um novo nível como músico, mesmo que isso coloque em risco seus relacionamentos com sua namorada e sua saúde física e mental.

Whiplash caiu no meu colo domingo passado, quando o irmão do meu namorado disse que o filme era incrível e que deveríamos assistir. Tudo o que tenho a dizer era: que Odin abençoe esse jovem cunhadinho meu.

Você está acelerando ou atrasando?
Whiplash conta a história de Andrew, um estudante da melhor escola de música dos Estados Unidos, a Shaffer. Ele toca bateria e seu sonho é ser um músico de renome, e para isso ele tem que entrar na banda do professor de jazz Terence Fletcher. Seu sonho parece longe de ser alcançado quando, aparentemente, tudo o que Fletcher faz é com o objetivo de arruinar a carreira de Andrew. 

Além de humilhá-lo em público, Fletcher também abusa dele mentalmente, lhe colocando metas impossíveis de se alcançar e fazendo-o se sentir um péssimo músico. Uma das cenas mais icônicas do filme é quando Fletcher pergunta se Andrew está acelerando o compasso ou atrasando, puxando o garoto até seu limite.

O abuso psicológico que Andrew sofre chega a proporções tão absurdas que ele se envolve num acidente de carro e, mesmo tendo batendo a cabeça e com o corpo todo ensanguentado, ele se arrasta para fora de seu carro e vai ate o concerto à pé, pois sabe que o professor não lhe daria outra chance se não chegasse à tempo.


Não vou me prolongar muito falando sobre a história do filme, pois acredito que assistir é muito melhor. Mas queria parabenizar a atuação do jovem ator Miles Teller. Conheço o ator, que fez o personagem Peter em Divergente. Mal sou capaz de imaginar o quanto esse rapaz deve ter estudado e treinado para fazer esse papel. Quando Miles está em Whiplash ele se transforma completamente em Andrew, um baterista frustrado com a escola em que estuda. Ele deixa de ser o ator e vira o personagem por inteiro. Eu me sentira fisicamente cansada depois de assistir o Andrew tocar bateria como um condenado, tentando atingir o compasso perfeito. O sofrimento que ele passava na mão do professor era palpável, e eu sentia tristeza e raiva junto com ele. 

E a cena final? Nem existem palavras o suficiente para expressar o quão incrível foi o final! Miles Teller deu tudo de si, me deixou emocionada e com o coração batendo mais forte. Poucas vezes tive sentimentos tão fortes ao assistir um simples filme.

Saia da porra da minha frente antes que eu acabe com você!
Mesmo com a atuação incrível de Miles Teller, um ator que realmente merece o Oscar (sério, se ele não ganhar eu vou me sentir injustiçada POR ELE) é J. K. Simmons, o professor Terence Fletcher. Ele foi mais do que um bom ator, ele quebrou a barreira de ator e personagem de forma que nem o Miles Teller, talvez por causa da idade, foi capaz de alcançar. Não estou desmerecendo Miles Teller (em hipótese alguma eu faria isso), mas J. K. Simmons nasceu para fazer esse papel. Simples assim.

Cada vez que ele brigava com Andrew, cada vez que gritava alguma coisa, cada movimento seu regendo a orquestra eram dignos de um Oscar. Cada frame que esse homem teve no filme devia lhe render um Oscar diferente.

Sem contar que ele se parece muito com uma tartaruga!

 

A grande pergunta que o filme trás é: qual o melhor jeito de extrair o melhor de uma pessoa? Como fazê-la perceber seu potencial sem deixar o poder e a fama lhe subir à cabeça? O objetivo da vida de Fletcher é encontrar seu próprio Charlie Parker, é treinar um músico para que ele se torne um verdadeiro gênio e seja reconhecido por gerações.

Em determinado momento do filme, Fletcher e Andrew tem a seguinte conversa (adaptada às minhas memórias):

Fletcher: Eu sou rígido com meus alunos pois acredito que ninguém é capaz de ir além de seus limites e dar o melhor de si se escuta frequentemente que está fazendo um "bom trabalho". A pessoa nunca vai melhorar se acreditar que o que está fazendo é bom o bastante.

Andrew: Mas e se você acabar tirando a motivação da pessoa ao dizer coisas horríveis a ela?

Fletcher: Nesse caso, a pessoa nunca foi destinada a ser grande de verdade.



Eu, pessoalmente, não acho que levar a pessoa até seu limite é a melhor forma de fazê-la melhorar em algum aspecto. Acredito que há formas menos perigosas psicologicamente de incentivar uma pessoa. Entendo o método do Fletcher, entendo que isso pode realmente ajudar algumas pessoas, mas isso jamais funcionaria comigo. Acho que se um professor me maltratasse do jeito que ele maltrata, eu não suportaria.

Mas isso sou eu, é claro.


Whiplash é um filme maravilhoso. Tem um roteiro simples, mas poderoso psicologicamente, com atuações incríveis de seus dois atores principais, fotografia muito bem realizada e uma trilha sonora de tirar o fôlego. Este foi um dos melhores filmes que já assisti. Será muito difícil esquecer Whiplash.


A música Whiplash.


Trailer do filme.

É isso por hoje, galerinha! Espero que tenham gostado do post e espero que assistam o filme! Beijos e até o próximo post! :*

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

La Caixita #36


Olá, jovens mochileiros e mochileiras!

Como vocês talvez tenham reparado, eu mudei o nome do blog para Biscoito Esperto. Eu já tinha comentando em um post que odiava o nome antigo (Nerd/Rocker Girl, pfff), mas como ele tinha sido o nome do blog desde o início (eu era criança naquela época) eu tinha medo de mudar. Mas daí eu liguei o foda-se e mudei mesmo, por que sério, aquilo tava me incomodando muito. 

Biscoito Esperto veio da expressão Smart Cookie, que é usada quando você quer chamar alguém de espertinho, algo assim. Como eu achei a tradução literal engraçada decidi que seria o nome do blog. A propósito, o certo é biscoito, não bolacha ;)

Mudei então o tema do blog, mudei a header e mudei o banner dessa coluna. Gostaram? hehe :B

Chega de enrolação, vamos ao LIVROS!


Fui no shopping de Pouso Alegre com minha mãe e encontrei esse livro sobre as obras de Leonardo da Vinci por R$10 numa livraria. Eu estava sem nada para fazer (pois só estávamos lá por causa da inspeção do carro) e comprei pra ler um pouco. É interessante, mas não sei se vou ler tudo um dia. Troquei pelo skoob plus dois livros do Jô Soares, O Xangô de Baker Street e O Homem que Matou Getúlio Vargas. Já li O Xangô e é um dos livros mais hilários que já li na vida, e pretendo lê-lo novamente :3


Comprei a trilogia Legend por R$45 na Submarino. Já tinha o primeiro livro, mas como estava barato decidi comprar de novo e trocar o antigo. Eu reli o primeiro livro hoje e mal posso esperar para ver o que acontece a seguir =D
Você pode ler minha resenha de Legend clicando aqui e pode ler meu post explicando a diferença da edição de Legend da Prumo e da Rocco clicando aqui.


Depois de muito tempo esperando uma promoção dessa série (eu quase nunca compro séries de livros que não estão em promoção) eu FINALMENTE encontrei os cinco livros da série Os Heróis do Olimpo por R$65 (!) na Submarino. Não tive dúvidas e comprei na mesma hora. Os livros são lindos demais e eu mal vejo a hora de ler. Sou mega fã de Percy Jackson e de As Crônicas dos Kane. Tenho certeza de que vou adorar estes livros =D


Como boa caçadora de promoções que sou, quase pirei quando vi que a Nerd Universe estava com um desconto de 20% na loja toda. Eu na hora fui e comprei essas três camisetas. Não tinha a feminina, então comprei a PP masculina (que serviu certinho em mim. Quando compro feminina nessa loja tem que ser M). As camisetas são lindas e de ótima qualidade, mas geralmente os preços são meio salgados, então eu decidi aproveitar a promoção ^.^

É isso por hoje, galera! Espero que tenham gostado do post. Deixe seu comentário e até a próxima =D

domingo, 18 de janeiro de 2015

Legend Rocco vs. Legend Prumo - As diferenças das edições


Olá, caros jovens leitores e leitoras!
Hoje vim aqui apontar as diferenças entre as edições do livro Legend. A princípio o livro Legend - A Verdade se Tornará Lenda, da autora Marie Lu, foi publicado pela editora Prumo, que é um selo da editora Rocco. Eu fui uma das pessoas curiosas que compraram essa primeira edição (estava apenas R$10 reais quando comprei).
Eu li o livro, achei legalzinho e guardei ele. Nunca me interessei muito em comprar as continuações, até que vi os três livros por R$45 na Submarino e decidi comprar todos juntos. 
Quando os livros chegaram eu logo notei que as edições eram muito diferentes, então decidi fazer esse post para esclarecer de uma vez por todas quais as diferenças de uma edição para a outra.


A diferença nas capas é evidente. A capa da edição da Prumo é bem simples (e eu gosto dela assim), mas a capa da edição da Rocco é simplesmente maravilhosa. Ambas as capas tem verniz na palavra Legend, mas a capa da Prumo tem verniz no símbolo também, enquanto na versão da Rocco o verniz é nessas poeirinhas douradas envolta do símbolo. Eu acho a capa da Rocco muito mais bonita.


A contra capa de ambas as edições tem os mesmos dizeres, mas na edição da Rocco você pode ver que é tudo mais organizadinho, além da textura e das cores mais bonitas. A edição nova dá de dez a zero na antiga.


A edição da Rocco é dourada por dentro, enquanto a edição da Prumo tem o interior branco comum. Esse dourado é muito bonito e dá um charme a mais ao livro. Na edição de Prodigy o livro é azul por dentro, e em Champion ele é vermelho.


A lombada dos livros é bem parecida, mas a da Rocco, com as mudanças de design, ficou bem mais atraente.

Os livros são iguais no miolo, com a mesma fonte e diagramação. Ambas as edições tem as bordas "sujas", dando uma ideia de que o livro é antigo ou algo assim. Por dentro os livros são iguaizinhos.

O melhor de tudo é que as edições tem o mesmo preço. A Rocco (milagre!) não está cobrando um absurdo pelo livro, que afinal, é bem curtinho. Em breve a primeira edição sairá das prateleiras (já nem é mais impressa). A edição antiga só vale a pena para fins de colecionar mesmo, pois a edição nova é mais bonita e bem acabada. Mas, lembrando, que a Prumo é da Rocco, a trilogia só foi transportada para o selo principal da editora.

Você pode ler minha resenha para o livro Legend clicando aqui.

É isso por hoje, galera! Espero ter esclarecido suas dúvidas =D Se você tiver outras perguntas pode fazer através dos comentários que eu respondo dentro de 24 horas.
Até o próximo post!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Invisível, de David Levithan & Andrea Cremer

InvisívelAutores: Davkd Levithan e Andrea Cremer
Título original: Invisibility
Editora: Galera Record
É bom?: ★★
Páginas: 322

Sinopse: Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth.








Antes de começar essa resenha eu gostaria de falar um pouco sobre o aspecto da invisibilidade. 

Eu tenho três irmãos, todos homens, e desde sempre isso foi uma grande limitação na minha vida quando o assunto era brincadeiras. Eu sempre tinha que ser o power ranger rosa, sempre tinha que ser a princesa em perigo (mas que saco) e SEMPRE tinha que ser a Mulher Invisível quando brincávamos de Quarteto Fantástico. Eu detestava ser a Mulher Invisível por que, sério, quem é que prefere ter o poder de invisibilidade quando você pode BOTAR FOGO NAS COISAS, BOTAR FOGO EM VOCÊ MESMO E VOAR?

Tá que, fora ser invisível, a Mulher Invisível também pode criar uns escudos de energia, mas VOCÊ ACHA MESMO que três meninos levados iriam ligar pra um escudo de mentira quando eles tem MÃOS DE PEDRA e CHAMAS imaginárias indo de encontro a você? Tá, vai nessa.

Sempre gostei mais do Tocha Humana
Outro motivo pelo qual decidi trazer à tona o assunto dos quadrinhos é que Elizabeth (a.k.a. Jo), a personagem feminina principal deste livro, é uma QUADRINISTA! Deixe-me escrever um parágrafo inteiro sobre como isso é simplesmente fabuloso: geralmente a gente pega umas personagens femininas muitos estereotipadas em livros de drama adolescente. Sempre são as garotinhas apaixonadas ou em busca de seu único e verdadeiro amor, e sempre tem a personalidade de um torrão de açúcar (deixando bem claro que o problema não é procurarem pelo amor verdadeiro, mas sim ter a personalidade de um torrão de açúcar. Todos nós procuramos pelo amor verdadeiro, acho). Elizabeth quer, de fato, um novo romance em sua vida (uma vez que o anterior foi um fiasco), mas seu objetivo maior de vida é ser uma quadrinista famosa. E eu acho isso maravilhoso, pois, a pesar de estarmos no século XXI e tals, ainda existe este estigma no mundo dos quadrinhos e mangás (tipo, mangás shoujo no japão, os "mangás para meninas", são sempre escritos por mangakás mulheres - o que é legal pra caramba -, mas quando uma mulher decide escrever um shonen, os mangás para garotos, todo mundo fica super espantado. Dois shonens incríveis escritos por mulheres são Ao no Exorcist e Fullmetal Alchemist).
Resumindo: a Elizabeth é quadrinista e isso é awesome.



Invisível conta a história de Stephen, um garoto que nasceu invisível. Ele é COMPLETAMENTE invisível, não é tipo aquelas sombrinhas de desenho animado. Ninguém nunca foi capaz de vê-lo, nem seus pais, nem ele mesmo. O motivo pelo qual Stephen é invisível é desconhecido, mas ele sabe que 1) não é um fantasma e 2) existe de verdade.

A pesar de ser invisível, Stephen pode tocar em coisas ou pessoas, desde que se concentre as fazer isso. A mãe de Stephen sempre o ajudou a se manter concentrado, mas às veze sele acha alguma dificuldade em digitar o computador ou virar a página de um livro. 

Por causa de sua condição Stephen nunca teve amigos e nunca foi à escola. A mãe de Stephen sempre o ensinou tudo, e sempre o tratou como uma criança de verdade, sem privilégios. No entanto, a mãe de Stephen acaba morrendo, e o pai de Stephen decide fingir que o filho dele não existe e se muda para outra cidade. O pai dele paga as contas dele, do apartamento e alimentação, mas nunca mais o visitou. Stephen vive sozinho em Nova York.

image
Estou morando sozinho! Estou morando sozinhooo!
Se fosse eu, eu FARIA A FESTA. Sério, morar sozinha com tudo pago seria perfeito; O pai de Stephen paga toda sua comida, seus livros, video-game, computador, TUDO. Consegue imaginar como isso é perfeito? Paga tudo sem questionar nada! Mas é claro que, para Stephen, essa vida não é o paraíso. Tudo o que ele quer é sair na rua e ser visto pelas pessoas, quer que alguém perceba que ele existe. Mas como ele é invisível isto esta fora de questão... Pelo menos até Elizabeth aparecer na vida dele.

Elizabeth é a personagem mais marota do livro todo, primeiro por que ela é uma quadrinista, segundo por que ela é engraçada. Elizabeth tem uma história de vida bem comum, na medida do possível: pais separados, irmão gay e um ex-namorado pé no saco. No entanto, seu irmão acaba de ser espancado na escola e seus pais se separaram por que o pai não aceita a sexualidade do filho. Elizabeth, sua mãe e seu irmão (Laurie) se mudam para Nova York, na esperança de uma nova vida.

E eles vão parar no apartamento ao lado do de Stephen.

image
Coincidência? EU ACHO QUE NÃO!
Eis que um dia Elizabeth está tentando entrar em eu apartamento com trinta e seis mil sacolas quando derruba todas, e ela fica extremamente incomodada com o fato de que o garoto que mora logo ao lado está ali, parado na porta, apenas a encarando sem fazer nada.

Ao mesmo tempo, Stephen está petrificado. Ele não entende. Será que a garota está mesmo falando com ele? Será que agora ele é visível? Será que sua condição tinha prazo de validade? Stephen logo finge que nada está acontecendo e ajuda a garota, mas quando Elizabeth o convida para entrar e tomar uma limonada, o irmão dela, Laurie, diz que a irmã está louca, falando sozinha. Stephen vai embora como se nada tivesse acontecido, de volta à sua rotina de invisibilidade.

Mas a menina viu ele, não é? Ela consegue vê-lo por trás da cama de invisibilidade. Eles se tornam amigos e Stephen decide não dizer nada à garota sobre sua condição, mas E CLARO que isso só poderia dar muito errado.

É um drama adolescente que relata a sensação de não se encaixar, de não sentir que faz parte do lugar onde se vive, mas mostra esse sentimento ao extremo. E relata também como é quando essas pessoas que vivem às margens da vida social finalmente encontram alguém que é capaz de entendê-las e aceitá-las do jeito que são.

Além de ser um livro de drama ele também é um livro de fantasia (afinal, o cara é invisível, né?). Mas não posso me aprofundar nesse aspecto, pois daí seria spoiler. E dos bravos.

No caso de você não se importar com spoiler: O livro é sobre maldições. Stephen foi amaldiçoado (por isso é invisível) e Elizabeth é uma rastreadora, ou seja, ela é capaz de identificar maldições, por isso ela e capaz de ver Stephen. O livro gira em torno deles tentando arrumar um modo de quebrar a maldição, mas isso nem é a ponta do iceberg.

E um pequeno teaser, para quem leu Will & Will:

Eu vi o que você fez, David... :v
Uma teoria, que é spoiler: Se Will & Will se passa no mesmo mundo de Invisível, poderia o A. do livro Todo Dia, ser vítima de uma maldição?

E isso por hoje, gente! Espero que tenham gostado dessa resenha. Eu gostei muito do livro, e achei o final genial. Se você já leu o livro e quer discutir o final comigo, deixe um comentário.

Mas sério, o final foi muito bom. Meu Jesus.
image

sábado, 3 de janeiro de 2015

La Caixita #35


Olá, caros amigos!
Estamos aqui com mais uma edição da La Caixita, desta vez recheada com os livros que eu ganhei de natal e outros que comprei nesse meio tempo õ/


Comprei Invisível, do David Levithan e da Andrea Cremer, quando fui no shopping fazer umas compras de natal com mamai. Já li o livro e achei ele maravilhoso! Aleatoriedades Caóticas do Limbo Imaginativo foi um livrinho de histórias em quadrinhos marotíssimo.


Tem umas histórinhas bem marotas :B


Comprei pela Submarino a série O Guia do Mochileiro das Galáxias. Já li essa série faz tempo, mas os livros são do meu irmão e estão muito judiados, então decidi comprar minha própria coleção. Pretendo reler em 2015.


De natal eu ganhei estes dois livros do meu namorado, e esses livros são muito fofos! São do tamanho de um livro de bolso, mas tem capa dura, por dentro são de páginas amarelas, super bonitinhos e com diagramação bem arrrumadinha. O Mágico de Oz tem até ilustrações! Dá até dor de abrir e ler de tão lindos que são esses livros.


Dos meus pais eu ganhei Não Entre em Pânico, a biografia do Douglas Adams escrita pelo Neil Gaiman. Estou muito ansiosa para ler este livro, mas só depois de reler os cinco livros. Ganhei também As Crônicas de Bane, o livro que faltava para completar minha saga dos Shadowhunters, e o que me surpreendeu é que o livro tem algumas ilustrações por dentro *-*


Essas foram algumas muambas que comprei no AliExpress. Tudo foi super barato e todos os produtos são bem legais. Não são perfeitos, pois não são oficiais, mas são bem feitinhos e bonitos. O vira-tempo é simplesmente lindo e o Anjo Mecânico é super fofo. Eu comprei várias pulseiras das relíquias da morte e pretendo fazer uma promoção com elas.


É isso, gente! Esses foram os livros que chegaram para mim ultimamente. Espero que tenham gostado =D


quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Desafio de leitura de 2015 õ/


FELIZ ANO NOVO, SEUS LINDOS E LINDAS! õ/
2014 foi um ano cheio de leituras bem marotas, e espero ler livros bem legais esse ano. Eu vi no tumblr uma lista com pequenos desafios de leitura para 2015, e decidi adaptar a lista e criar a MINHA lista =D
Vou fazer um post de atualização toda última sexta-feira do mês mostrando o meu progresso. Vamos aos itens!

1) Ler um livro com mais de 600 páginas
2) Ler três livros clássicos
3) Ler um livro que virou filme
4) Ler um livro que virou seriado
5) Ler o primeiro livro da série Game of Thrones
6) Ler um livro cujo idioma original é o espanhol
7) Ler um livro com números no título
8) Ler um livro escrito por alguém com menos de 30 anos
9) Ler um livro com personagens não humanos
10) Ler um livro de comédia
11) Ler um suspense/mistério
12) Ler um livro de contos e/ou crônicas
13) Ler um livro oriental
14) Ler uma biografia
15) Ler uma autobiografia
16) Ler um livro nacional contemporâneo
17) Ler o livro de estréia de um autor
18) Ler um livro que faz parte da lista do Charlie de As Vantagens de Ser Invisível
19) Ler um livro recomendado por um amigo
20) Ler uma fantasia medieval
21) Ler um livro que é o spin-off de uma série
22) Ler um livro em um dia
23) Ler um livro que se passe num lugar que quero visitar
24) Ler uma trilogia
25) Ler um livro com resenhas negativas
26) Ler um livro da minha infância
27) Ler um livro com triângulo amoroso
28) Ler uma graphic-novel
29) Ler um livro de um autor que eu não conhecia
30) Ler um livro emprestado


Fora estes 30 itens do desafio, também me desafio a ler TODOS os livros que eu tenho que não li ainda, sendo estes:

Capitães da Areia Jonathan Strange & Mr. Norrell O Salmão da Dúvida Não Entre em Pânico
The Complete Sherlock Holmes Belezas Perigosas Anjos Rebeldes Doce e Distante As Crônicas de Bane  A Guerra dos Tronos A Fúria dos Reis A Tormenta de Espadas O Festim dos Corvos A Dança dos Dragões Prodigy Champion Estou com SorteMariah Mundi - A Caixa de Midas Mariah Mundi - Os Diamantes Fantasmagóricos Mariah Mundi - A Nau dos Insensatos Peter Pan O Mágico de Oz

São apenas 22 livros, mas é um absurdo como essa lista cresce e muda rapidamente. Mesmo comprando livros novos, pelo menos esses 22 eu tenho que ler até o final do ano. Será que consigo? Sinceramente, é o primeiro desafio que eu crio, espero me comprometer :P

Coloquei um dos itens "ler o primeiro livro da série Game of Thrones" pois talvez assim eu me anime para finalmente ler a série XD

Feliz 2015 novamente, meus caros leitores! Muitos livros em vossas vidas!


image