sábado, 21 de outubro de 2017

Resenha de Edgar Allan Poe: Medo Clássico (Editora Darkside)


OLAR, criaturas trevosas!

Hoje finalmente trago a resenha do livro Edgar Allan Poe - Medo Clássico., Nesse vídeo irei falar um pouco sobre a vida do Sr. Poe, irei comentar meus contos prediletos e farei uma leitura marota do poema O Corvo.



Espero que gostem, não se esqueçam de se inscrever no canal e dar joinha nesse vídeo! (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

Um abraço galeres, e até o próximo post!

Resultado de imagem para scary gif edgar allan poe

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

La Caixita #56 | BOOK HAUL


OLAR, HUMANINHOS!

Hoje trago a edição de número 56 da La Caixita! Não se preocupe, você não precisa ter assistido às anteriores. Nesse vídeo irei mostrar todos os livros que eu comprei/ganhei/achei na rua no último mês e meio, e vou falar um pouco sobre cada um deles.

Não se preocupe, o desafio do terror está a todo vapor e ainda essa semana sai a resenha de Edgar Allan Poe - Medo Clássico.



Algumas fotineas dos livros:
















É isso por hoje, pessoal! Espero que tenham gostado. Não se esqueçam de curtir o vídeo e se inscrever no canal =D

Enfim, você já leu alguns dos livros aqui mencionados? Quer ler? Me conte! Até o próximo post =D

Eu nem terminei de ver a décima segunda 
temporada e a décima terceira já tá aqui, 
como assim??

sábado, 14 de outubro de 2017

Eu joguei esconde-esconde sozinha e invoquei um espírito

OLAR, pessoinhas!!

Hoje trago, pela primeira vez, um vídeo não relacionado a livros. Nesse vlog temático do mês do terror eu falo sobre a vez em que eu joguei o jogo japonês de esconde-esconde sozinha e sobre como invoquei um demônio. Há uma surpresa no final do vídeo.



Espero que gostem, não se esqueçam de se inscrever no canal e dar joinha nesse vídeo! (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧
Resultado de imagem para plush toy gif
Ainda bem que não joguei
com um Furbie.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Menina Má, de William March


Menina MáAutor: William March

Título Original: The Bad Seed
Editora: Darkside
É bom?: ★★
Páginas: 272
Sinopse: Publicado originalmente em 1954, MENINA MÁ se transformou quase imediatamente em um estrondoso sucesso. Polêmico, violento, assustador eram alguns adjetivos comuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Os críticos britânicos consideraram o livro apavorantemente bom. Ernest Hemingway se declarou um fã. Em menos de um ano, MENINA MÁ ganharia uma montagem nos palcos da Broadway e, em 1956, uma adaptação ao cinema indicada a quatro prêmios Oscar, incluindo o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark. Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também. 

Olá, galerinha!

Hoje trago a vocês uma resenha em vídeo do livro Menina Má, que faz parte do Desafio Outubro do Terror. Neste vídeo irei falar um pouco sobre a história do livro e farei alguns comentários sobre a psicologia nele abordada, bem como o seu aspecto aterrorizante.


É isso por hoje! Espero que gostem, não se esqueçam de se inscrever no canal e dar joinha nesse vídeo! (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

Até o próximo vídeo :*

Resultado de imagem para the bad seed gif
"Então eu continuei batendo nele, mãe!".

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

UNBOXING de Edgar Allan Poe: Medo Clássico (Editora Darkside)



OLAR, galerinha!

Hoje trago para vocês um unboxing bem modesto do livro Edgar Allan Poe: Medo Clássico. Fiz este vídeo com o intuito de mostrar como a edição é por dentro (qualidade do papel, os contos reunidos e as ilustrações) para aqueles curiosos que estão pensando em comprar o livro e se pergunta de vale a pena. Spoiler: VALE!




Este vídeo NÃO foi patrocinado pela Editora Darkside.

Espero que gostem, não se esqueçam de se inscrever no canal e dar joinha nesse vídeo! (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧


Resultado de imagem para edgar allan poe gif

sábado, 30 de setembro de 2017

As melhores séries e filmes de: SETEMBRO #2017

Uma publicação compartilhada por LAMBERT, Nathalia (@_illuminath) em

Olá, pessoinhas! Como vocês estão??

Hoje é o último dia de setembro e eu me lembro que, no início de agosto, eu pensei: "nossa hein, agosto é o mês eterno, vou poder fazer todas as coisas que quero e ainda vai sobrar tempo". Pois é, vai começar outubro e ainda não fiz nada da minha lista de afazeres, que é a seguinte:

- Escrever o TCC;
- Entregar o TCC.

Claro que eu não esperava entregar o TCC em setembro - afinal, a data final é só em novembro mesmo - mas queria ter adiantado mais. A questão é que me COMPROMETO a terminar de escrever o TCC em outubro (o segundo capítulo, a introdução, conclusão, os anexos, TUDO). Me desejem sorte! Enquanto isso, vamos conferir o que eu andei fazendo em setembro*.

* Desde que esta coluna começou aqui no blog eu percebi que não falo mais apenas de séries e filmes, mas ocasionalmente menciono animes, podcasts e até jogos. Pensei, em 2018, mudar a coluna para algo do tipo "Recomendações da Nath de [mês]" ou algo do tipo. Comentem com sugestões!

Filmes



Como mencionei no meu vídeo do Desafio de Leitura - Outubro do TERROR, eu fui ao cinema com meus irmãos e minha cunhada assistir ao filme It. O filme é famoso a ponto de dispensar apresentações, e só tenho a comentar que eu gostei tanto que até fiquei com vontade de comprar o livro (que custa $70, por enquanto não estou podendo). Mas, sério, se você gosta de terror, mas além disso gosta de histórias envolventes e épicas, personagens extremamente cativantes (e hilárias) e curte uma boa direção cinematográfica, com certeza irá curtir It.

Ah, na verdade, eu tenho outra coisa a dizer. Não é spoiler, mas se não quiser saber nada sobre o filme, pule este parágrafo. O It, que é a criatura que normalmente aparece como o Palhaço Pennywise, assume várias formas. Uma dessas formas, que assusta um dos garotos do grupo dos Losers, é a de uma mulher bizarra de um quadro. Como já dito em algum lugar aqui no blog, no meu quarto eu tenho este quadro, que não sei por que não tirei da parede por que até hoje tenho medo dessa goiaba, e assistir ao filme não me ajudou a superar esse medo, exatamente.



No outro final de semana meu namorado e eu chegamos em casa e pensamos em assistir algum filme aleatório. Acabamos assistindo Before I Go to Sleep, um filme que pega uma ideia bem batida (uma pessoa que, devido a um acidente, não guarda mais memórias e acorda todos os dias achando que é o dia seguinte ao que ela viveu antes da amnésia) e (tenta) transformar em algo inovador.

O filme basicamente conta a história de uma mulher com amnésia extensiva que acorda todos os dias achando que tem 20 e poucos anos e está na faculdade. Agora ela tem mais de 40 e tudo à sua volta parece estranho, inclusive o marido, que vive com ela há anos. Tudo é estranho, e fica mais estranho ainda quando nossa protagonista encontra uma máquina fotográfica com vídeos dela falando sobre coisas que descobriu sobre si e que o marido esconde dela. O filme é interessante e tem plot twist bem legais, mas é um pouco monótono e eu consigo pensar em pelo menos uns cinco furos de roteiro.

Séries




Em setembro a Netflix finalmente trouxe para o Brasil a segunda temporada de Outlander. Eu amei muito a primeira temporada, até cheguei a trocar o primeiro livro da série com uma pessoa para poder ler. A série é sobre uma mulher que viaja acidentalmente para o passado e tem que se adaptar à vida na Escócia do século XVIII para sobreviver e encontrar um caminho de volta para seu tempo.




Ano passado eu assisti a INCRÍVEL mini-serie do Sy-Fy chamada Channel Zero. A primeira temporada, de seis episódios, seguiu uma adaptação dramática e aterrorizante da creepypasta Candle Cove. A série será uma antologia, adaptando uma creepypasta por temporada. A segunda temporada começou semana passada e adapta A Casa sem Fim, uma das creepypastas mais assustadoras da internet. Eu já vi o primeiro episódio e achei a qualidade da produção muito superior à da primeira temporada, e o enredo também está excelente, fiel à história original sem transparecer falta de originalidade. Basicamente, é a história de uma pessoa que entra numa casa supostamente sem fim, em cujos corredores ela descobriria coisas assustadoras sobre si mesma. Ao sair da casa, no entanto, a casa não parece ter saído dela.




Eu estava com vontade de assistir a um sitcom, mas já havia assistido todos os mais populares: Friends, How I Med Your Mother e The Big Bang Theory já são familiares para mim. Depois de pesquisar e seguindo milhares de recomendações, comecei a assistir Arrested Development. A série conta a história do Michael Bluth, que tem que cuidar de sua grande família disfuncional depois que seu pai é preso por fraude, e sua companhia multimilionária está prestes a falir. A série é engraçada, apesar de não ter nada de muito especial sobre ela. Mas é boa o suficiente pra me ter feito ver uma temporada em uma semana.




Eu estava vagando pelo Reddit quando vi uma thread sobre a série brasileira 3%. Eu já sabia da série do Netflix e também já havia visto o piloto anteriormente produzido que estava disponível no YouTube (isso há muitos anos!). Depois de ver vários gringos falando bem da série, finalmente decidi assistir. EU TÔ AMANDO. Faltam dois episódios para acabar e eu não quero que acabe POR QUE É DEMAIS! SÉRIO!

A série se passa num futuro no qual o colapso da sociedade levou o mundo a se dividir em dois: de um lado as pessoas pobres ficaram morando numa enorme favela, passando fome e doentes; e do outro lado há uma cidade chamada Maralto, um lugar super tecnológico onde ninguém passa fome e a ciência é muito avançada. Num ato de "benevolência​", as pessoas do Maralto realizam um teste anual para todas as pessoas com 20 anos que vivem na pobreza. Esse teste consiste em vários tipos de provas, e através delas apenas 3% dos participantes saem da pobreza e vão morar no Maralto.

Apesar de parecer uma distopia/utopia clássica, a série se revela cheia de nuances, mostrando o passado das personagens e suas motivações para suas ações. Todos os personagens principais são redondos e interessantes. A produção da série não deixou a desejar, tendo efeitos especiais e fotografia muito boa. Alguns dos atores não são tão bons assim, mas isso não afeta muito a qualidade da série. Não sei por que não tinha assistido antes.

Podcasts


Resultado de imagem para the black tapes

Em setembro o meu ex podcast favorito, The Black Tapes, FINALMENTE saiu do hiato! Agora estamos na terceira (e última) temporada, e Alex Reagan continua a nos contar as histórias de Dr. Strand e seus fantasmas figurativos e literais. The Black Tapes já foi um incrível podcast de terror e mistério, mas agora é apenas de drama e mistério. Mas estou feliz que pelo menos teremos uma conclusão para a história. Ouça aqui.



Também ouvi a mini-série em áudio Scotch. São apenas 13 episódios, é terror de qualidade e a história já foi concluída. O podcast é narrado por Bobby, uma jovem mulher que terminou um relacionamento recentemente e tem tido problemas para lidar com seus sentimentos. Numa noite ela sente cheiro de um tipo de whisky (scotch) e apaga. No dia seguinte, coisas muito estranhas acontecem à sua volta.

O podcast é muito legal, é todo narrado em primeira pessoa e o clima de suspense te deixa alerta o tempo inteiro. No início achamos que a história é previsível, mas vários plot twist vão acontecendo com o decorrer dos episódios. Recomendo! Ouça aqui.

Jogos



Por último, mas não menos importante: assim que terminei de jogar Portal mês passado eu senti falta de um bom jogo de puzzles e decidi tirar a poeira de um jogo abandonado do meu Steam - Limbo.

Limbo é um jogo 2D no qual o protagonista é um jovemzinho que tem que resolver puzzles e fugir de perigos. O jogo é todo macabro, quase sem som e sem cores, mas ele não tem nenhuma história e não é exatamente aterrorizante: o jogo só tem a aparência bizarra mesmo. Eu gastei boas 4 horas fechando-o e recomendo muito!
_______________________

Enfim pessoal, é isso que eu assisti/ouvi/joguei em setembro. E você, já viu alguma dessas coisas? Já assistiu 3%? Gosta de lasanha?

Me dêem recomendações de filmes e séries de terror para assistir que estou aceitando!

Até o próximo post! :*

Resultado de imagem para arrested development gif
Digo, é uma banana, Michael. Quanto deve custar? Dez dólares?

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Leituras do Mês: Setembro! #2017


Olá, pessoinhas! Como vocês estão?

Setembro foi um mês meio complicado para mim em relação a, bom, tudo... Confesso que não tive tempo de ler muito. Trabalhei muito (ou tentei trabalhar muito) no TCC, fiz várias provas e trabalhos e ainda teve o falecimento do meu avô, que me derrubou completamente por uma semana. Passei muito tempo desanimada com tudo, por causa do luto, por causa da frustração por não conseguir escreveu meu TCC, tudo estava me esmagando. Por sorte tenho amigos incríveis que me animam sempre, e um namorado que sempre me compra snickers e me deixa ouvir Fall Out Boy no carro dele!


Com o final do mês consegui colocar minha vida em ordem - na medida do possível. Não li muita coisa esse mês, mas realmente só li coisas das quais gostei. Vamos conferir?

Livros

Cinder As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender Sono O Monstrologista

Primeiramente eu li o incrível Cinder. É um livro de ficção científica baseado no conto da Cinderela, sobre uma garota ciborgue que vive com uma família abusiva e cujo sonho é pegar sua androide assistente e fugir para longe de tudo, trabalhando como mecânica e ganhando sua vida em paz. A única pessoa que gosta de Cinder e a mantém longe de fazer alguma besteira é Peony, sua irmã de criação. As duas são muito próximas, e Peony quer levar Cinder para o baile real do príncipe Kai (o sonho de toda garota da Nova Pequim), coisa que Cinder sabe que jamais irá acontecer, se depender de sua madrasta malvada. 

O mundo de Cinder desaba quando Peony é infectada pela letumose, um doença mortal e terrível que tem assolado o mundo, sem previsão para ser curada. Para piorar, seu país está prestes a ser invadido pelos lunares - humanos terríveis que moram na Lua e que tem uma capacidade biológica de controlar o cérebro dos terráqueos. O livro tem um worldbuilding muito consistente, Cinder é uma protagonista espetacular e o livro tem romance e aventura misturados na medida certa. Eu pretendo ler os quatro livros da série e fazer um vídeo para o canal sobre todos juntos. 

Em seguida li As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender. Deixarei aqui o link da minha resenha sobre ele. Esse livro é um dos melhores livros que li esse ano. Sérião.

Em seguida, numa manhã entediante na qual eu havia esquecido de levar meu livro para o trabalho, li o livro Sono, meu segundo do Haruki Murakami, por e-book. O livro tem 120 páginas e na verdade é a adaptação de um conto do Haruki, publicado anteriormente numa coletânea. Esta edição tem ilustrações e é expandida. Conta a história de uma mulher que leva uma vida normal de dona de casa do Japão, cuidando do filho e do marido até que, numa noite, ela tem um sonho misterioso e, a partir daí, não consegue mais dormir. Ao invés de se sentir cansada e doente, nossa protagonista se sente forte e invencível. Sua vida é extremamente sufocante e ela começa a perceber isso de forma nada convencional. É um livro rápido de ler, quase aterrorizante de tão vazio (não encontrei palavra melhor), e com um final muito discutível. Sério, se você já leu, vamos debater esse final!

Por último, mas não menos importante, eu li O Monstrologista, um livro infanto-juvenil de terror. Tudo começa quando o autor (o próprio Rick Yancey, também autor de A Quinta Onda) alega ter encontrado os velhos diários de um homem que dizia ter mais de 130 anos de idade. Esse velho conta suas histórias de infância, de quando era aprendiz de um cientista que estudava monstros. Neste primeiro volume nós acompanhamos Will Henry e Dr. Pellinore Warthrope numa caçada aos temíveis Antropophagi. Gostei muito da narrativa e do clima da leitura. No início achei que o tema dos monstros seria bobo e infantil demais, mas senti um bom clima de terror enquanto lia. O autor não subestima o leitor e coloca várias cenas bizarras e tristes. Uma criança/pré-adolescente que ler este livro com certeza irá se apaixonar por histórias de terror! 

Ei, o post ainda não acabou! Eu tenho uma novidade!


Seis livros para o Outubro do Terror! Sou péssima em desafios e já li um dos livros... Mas tá valendo! 📚 Menina Má, de William March. Aparentemente é um livro sobre crianças psicopatas! 📚 O Monstrologista, A Maldição do Wendigo e A Ilha de Sangue, de Rick Yancey. Uma trilogia infanto-juvenil sore um cientista que estuda monstros e seu aprendiz órfão. Já li o primeiro livro e É MUITO BOM! Imagino o Bryan Cranston como o Dr. Pellinore Warthrop. 📚 O Sorriso da Hiena, de Gustavo Ávila. Um livro brasileiro sobre um psicólogo que estuda um homem que viu seus pais serem assassinados na infância. Parece ser um suspense maroto. 📚 Edgar Allan Poe, Medo Clássico. Uma coletânea de contos e poemas de Poe organizada pela Darkside. Já li alguns dos contos e estou gostando! 👻 😈 🔪 Que livros de terror/horror vocês pretendem ler em outubro? 👽 🎈 🐍 #livros #books #horrorbooks #livrosdeterror #terror #halloween #meninamá #thebadseed #williammarch #rickyancey #themonstrumologist #omonstrologista #thecurseofthewendigo #amaldiçãodowendigo #theisleofblood #ailhadesangue #osorrisodahiena #gustavoavila #edgarallanpoe
Uma publicação compartilhada por LAMBERT, Nathalia (@_illuminath) em


Para outubro, o mês do Halloween, decidi me desafiar a ler cinco livros do gênero terror! Fiz um vídeo explicando o desafio, que você pode assistir aqui embaixo:


________________________________

E é isso que eu li em Setembro! Outubro será um mês cheio de leituras maravilhosas, me desejem sorte! Mas e vocês, claros leitores, o que tem lido de bom? Já leram algum dos livros mencionados? Pretendem ler algum livro de terror? Você gosta mais de Fall Out Boy ou de Panic! At the Disco? Deixe seu comentário ;)

Até o próximo post!

Eu mal posso esperar pelo lançamento
de M A  N    I     A em janeiro =D

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Desafio de leitura {OUTUBRO DO TERROR}


Olá, galerinha fedida! Como vocês estão?

Como vocês já devem ter percebido, pelo blog ou pelo canal, eu AMO/SOU histórias de terror! Adoro séries, adoro filmes e, é claro, eu adoro livros assustadores! Essa semana, ao perceber que eu tinha cinco livros de terror não lidos em casa e que o mês do Halloween está à espreita, decidi estabelecer um desafio de leitura aterrorizante para o mês de outubro.

Convido todos a participar do desafio - lendo qualquer livro de terror, horror ou suspense que você quiser! - e espero que tenham leituras marotas e aterrorizantes ;)




Espero que se sintam inspirados para ler livros aterrorizantes comigo! Deixem nos comentários o que vocês estivem lendo e sugestões para os próximos vídeos.

Um abraço, e cuidado com os espelhos!

Ghost on Mozilla Firefox OS 2.5


Seis livros para o Outubro do Terror! Sou péssima em desafios e já li um dos livros... Mas tá valendo! 📚 Menina Má, de William March. Aparentemente é um livro sobre crianças psicopatas! 📚 O Monstrologista, A Maldição do Wendigo e A Ilha de Sangue, de Rick Yancey. Uma trilogia infanto-juvenil sore um cientista que estuda monstros e seu aprendiz órfão. Já li o primeiro livro e É MUITO BOM! Imagino o Bryan Cranston como o Dr. Pellinore Warthrop. 📚 O Sorriso da Hiena, de Gustavo Ávila. Um livro brasileiro sobre um psicólogo que estuda um homem que viu seus pais serem assassinados na infância. Parece ser um suspense maroto. 📚 Edgar Allan Poe, Medo Clássico. Uma coletânea de contos e poemas de Poe organizada pela Darkside. Já li alguns dos contos e estou gostando! 👻 😈 🔪 Que livros de terror/horror vocês pretendem ler em outubro? 👽 🎈 🐍 #livros #books #horrorbooks #livrosdeterror #terror #halloween #meninamá #thebadseed #williammarch #rickyancey #themonstrumologist #omonstrologista #thecurseofthewendigo #amaldiçãodowendigo #theisleofblood #ailhadesangue #osorrisodahiena #gustavoavila #edgarallanpoe
Uma publicação compartilhada por LAMBERT, Nathalia (@_illuminath) em

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

A Mediadora, ou Por Que Não Reler Livros da Sua Infância


OLAR, criaturinhas cheirosas! Hoje trago a vocês um vídeo que fiz há algum tempo sobre releituras. Minha crença pessoal é de que os livros não mudam, mas as pessoas sim. Eu li A Mediadora pela primeira vez aos 12 anos e amei absolutamente tudo sobre a história: este ano, aos 20, reli a série e quebrei a cara, encontrando um livro bobo, cheio de misoginia disfarçada de humor e uma história mal formulada e mal escrita.

Nesse vídeo faço um sumário da série e conto como foi minha experiência de reler os seis livros da saga A Mediadora.


Espero que gostem, não se esqueçam de se inscrever no canal e dar joinha nesse vídeo! (ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

Quem mais mal pode esperar pela terceira
temporada de Mr. Robot?

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender, de Leslye Walton

As Estranhas e Belas Mágoas de Ava LavenderAutora: Leslye Walton
Título Original: The Strange and Beautiful Sorrows of Ava Lavender
Editora: Novo Conceito
É bom?: 
★★
Páginas: 304

Sinopse: 
Gerações da família Roux aprenderam essa lição da maneira mais difícil. Os amores tolos parecem, de fato, ser transmitidos por herança aos membros da família, o que determina um destino ameaçador para os descendentes mais jovens: os gêmeos Ava e Henry Lavender. Henry passou boa parte de sua mocidade sem falar, enquanto Ava - que em todos os outros aspectos parece ser uma jovem normal - nasceu com asas de pássaro. Tentando compreender sua constituição tão peculiar e, ao mesmo tempo, desejando ardentemente se adaptar aos seus pares, a jovem Ava, aos 16 anos, decide revolver o passado de sua família e se aventura em um mundo muito maior, despreparada para o que ela iria descobrir e ingênua diante dos motivos distorcidos das demais pessoas. Pessoas como Nathaniel Sorrows, que confunde Ava com um anjo e cuja obsessão por ela cresce mais e mais até a noite da celebração do solstício de verão. Nessa noite, os céus se abrem, a chuva e as penas enchem o ar, enquanto a jornada de Ava e a saga de sua família caminham para um desenlace sombrio e emocionante.



"Para muitos, eu era um mito encarnado, a personificação de uma lenda magnífica, um conto de fadas. Alguns me consideravam um monstro, uma mutação. Para meu infortúnio, certa vez fui confundida com um anjo. Para minha mãe, eu era tudo. Para meu pai, absolutamente nada. Para minha avó eu era um lembrete diário de amores há muito tempo perdidos. Mas eu sabia a verdade - no fundo, sempre soubera.

Eu era apenas uma menina".

Como sequer posso resenhar este livro? 

Meu professor de literatura portuguesa sempre diz que a melhor forma de entender um livro é lendo-o diretamente: resenhas e análises são supérfluas, só o livro pode te contar algo verdadeiro sobre ele. Sempre achei isso besteira, adoro escrever e ler resenhas e até me divirto ao ler análises literárias mais complexas. Acho interessante. A questão é que, pensando em As Estranhas e Belas Mágoas de Ava Lavender, realmente é difícil falar sobre este livro sem tirar um pouco de sua magia. Já peço desculpas de forma adiantada!

AEEBMDAL é um livro do gênero realismo mágico, gênero este popular através de livros de escritores como Gabriel Garcia Marquez e Italo Calvino. Pode parecer inusitado afirmar isso, mas acredito que Leslye Walton conseguiu escrever uma obra digna de ficar lado a lado na prateleira destes mestres. Como o título sugere, este é um livro estranho e belo.

Ava Lavender nasceu com asas. Essa sempre foi uma constante na sua vida, uma vida simples, com acontecimentos ao mesmo tempo comuns e fantásticos. Antes mesmo de Ava nascer sua família já convivia com o mágico e o mundano se sobrepondo constantemente. O livro começa muito antes do nascimento de Ava, com seus bisavós que saíram da França procurando uma vida melhor em Manhattan, e passando pela história de sua avó Emilienne e seus irmãos até chegar a sua mãe e, por fim, a ela mesma.

O livro é um épico - ainda que com apenas trezentas páginas - sobre família, amizade e amor - principalmente, trata da forma como amamos e deixamos de amar as pessoas. É um livro sobre juventude perdida e sobre os pequenos detalhes da vida que tornam nossa existência única. Mesmo com a atmosfera mágica, o livro parece tão real e honesto! Talvez por causa de suas personagens: a autora nos introduz a dezenas de personagens diferentes, e todas elas tem personalidades redondas e histórias de vida relevantes - nenhuma das personagens sobrecarrega o roteiro, pelo contrário! As personagens são comos fios narrativos que, no final, formam um bordado intrincado e belo.

É um livro sobre decisões ruins e inocência, um livro coming-of-age diferente e, principalmente, um livro sobre relacionamentos. É uma história relativamente curta no papel, mas que escapa dele facilmente e se incrementa na vida do leitor. É um épico tragicômico, um drama sem papéis definidos, uma poesia em forma de prosa.

Put* merd*, que livro do caralh*!!

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Graffiti Moon, de Cath Crowley

Graffiti MoonAutora: Cath Crowley
Editora: Valentina
É bom?: ★★★
Páginas: 240

Sinopse: Uma aventura emocionante e perigosa como um grafite clandestino. Uma noite de arte e poesia, humor e autodescoberta, expectativa e risco e, quem sabe, amor verdadeiro. Um artista, uma sonhadora, uma noite, um significado. O que mais importa? O ano letivo acabou, aliás, o último ano do ensino médio. Lucy planejou a maneira perfeita de comemorar: essa noite, finalmente, ela encontrará o Sombra, o genial e misterioso grafiteiro, cujo fantástico trabalho se encontra espalhado por toda a cidade. Ele está de spray na mão, escondido em algum lugar, espalhando cor, desenhando pássaros e o azul do céu na noite. E Lucy sabe que um artista como o Sombra é alguém por quem ela pode se apaixonar — se apaixonar de verdade. A última pessoa com quem Lucy quer passar essa noite é o Ed, o cara que ela tem tentado evitar desde que deu um soco no nariz dele no encontro mais estranho de sua vida. Mas quando Ed conta para Lucy que sabe onde achar o Sombra, os dois de repente se juntam numa busca frenética aos lugares onde sua arte, repleta de tristeza e fuga, reverbera nos muros da cidade. Mas Lucy não consegue ver o que está bem diante dos seus olhos.

Graffiti Moon é uma espécie de história gênero coming-of-age - aquele tipo de história na qual as personagens deixam de ser adolescentes e se tornam adultas, através de ritos de passagem. Alguns exemplos deste gênero são os famosos O Apanhador no Campo de Centeio, Jane Eyre e até o mais contemporâneo Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo.

Resultado de imagem para till the heart caves in
Till the heart caves in, de Michael Zavros
A diferença é que Graffiti Moon não se passa durante um período longo da vida das personagens - de fato, o livro começa durante uma tarde e termina no amanhecer do dia seguinte. Apesar de abarcar apenas o time lapse de uma madrugada, o livro mergulha profundamente nos pensamentos das personagens e nas escolhas que os trouxeram para aquela noite, naquele momento.

Resultado de imagem para the lovers magritte
Os Amantes, de Magritte.
O livro começa com Lucy, uma garota que acaba de completar o ensino médio e cujo sonho é ser uma artista de vidro. Ela quer muito conhecer dois grafiteiros que tem pintado os muros de sua cidade: Sombra (o desenhista) e Poeta (o escritor), uma vez que ambos a inspiraram a correr atrás de seu sonho artístico. Lucy tem uma paixonite por Sombra que não é segredo para ninguém, apesar de que ela não o conhece e não sabe nada sobre ele - sequer sabe se é um homem, qual sua idade e se é uma boa pessoa.

Resultado de imagem para woman with a crow picasso
A mulher com o corvo, de Picasso.
Alternativamente, Ed tem uma opinião bastante baixa de si mesmo: se vê como um perdido desempregado e sem estudo, e a única maneira que encontra de ajudar a mãe a pagar o aluguel e impedir que o amigo seja pego por gangstêrs é assaltando uma escola e revendendo a carga clandestinamente. Sua vida se complicou depois que seu chefe em uma loja de tintas faleceu e ele perdeu o emprego, e nem pintar muros pela cidade com o amigo tem lhe trazido a mesma alegria de antes. Pois é.

Resultado de imagem para No. 301 (Reds and Violet over Red/Red and Blue Over Red) - Rothko
No.301 (Vermelhos e Violeta sobre Vermelho/Vermelho e Azul sobre Vermelho), de Rothko.
Ed e seu amigo, Leo, irão roubar a escola em que estudaram durante a madrugada - mas, antes, decidem sair para uma festa e lá se encontram com Lucy e sua amiga, Jazz, e assim suas vidas podem tomar rumos diferentes quando Lucy pede ajuda de Ed para caçar o Sombra - sem saber que ele é o próprio.

Resultado de imagem para Winged Victory of Samothrace - Sculpture from Ancient Greece
Vitória alada da Samotrácia, escultura da Grécia Antiga.

O livro se passar durante um curto período de tempo com certeza foi o maior diferencial da autora, algo que me fez gostar muito da leitura: ao mesmo tempo em que a história era ágil e as personagens se comunicavam e faziam coisas insessantemente, haviam pausas nos acontecimentos do presente para conhecermos o passado e as motivações das personagens. Num livro com menos de 250 páginas nós vivemos uma aventura de uma noite ao mesmo tempo em que conhecemos a fundo os sonhos e aspirações artísticas de ambos Ed (grafiteiro) e Lucy (artista de vidro) e conhecemos seus relacionamentos com suas respectivas famílias, com seus trabalhos e com amigos. 

Resultado de imagem para ghost patrol
Sem título, de Ghostpatrol.
O livro é mais focado no desenvolvimento das personagens do que no avanço da trama, o que foi extremamente acertado. Se nós apenas seguíssemos os acontecimentos da história sem o conhecimento profundo da vida de Ed e Lucy o livro não faria sentido. Não entenderíamos suas motivações e ações: seria a história de um grafiteiro que vai roubar uma escola enquanto uma menina apaixonada por outro cara o segue para todos os lugares. Apesar da frase anterior ser verdadeira, ela descreve o livro muito precariamente.

Resultado de imagem para chihuly
Escultura em vidro, de Dale Chihuly.
Eu gostei da leitura por muitos motivos: a narrativa é ágil e cativante, as personagens são muito bem desenvolvidas e a estrutura do romance é intrincada, mas sinceramente o que mais me fez gostar do livro é o fato de ele ser uma história interessante sobre jovens descobrindo a vida através da arte. Simples assim.

Em toda essa postagem coloquei obras mencionadas no livro. Tivemos menções a pintores, escultores, poetas, escritores e outros. Mas o que mais me marcou foi a arte do Dale Chihuly. Ele é um artista de vidro, assim como a Lucy, e sua arte é diferente de tudo o que já vi. Vou deixar aqui uma última imagem de um trabalho dele:

Imagem relacionada

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

O Egípcio, de Mika Waltari (Forrest Gump do Egito Antigo!)


Olá, pessoas maravilhosas!

Hoje trago a vocês uma resenha em vídeo do livro O Egípcio, do Mika Waltari. Este livro foi escrito logo após a Segunda Guerra Mundial por um finlandês, e fala das aventuras da vida de um médico durante a dinastia do faraó Akhnaton. Espero que goste do vídeo!


Algumas fotos do livro:





É isso por hoje, pessoal! Espero que tenham curtido o vídeo! Se gostou, deixe seu jóinha e compartilhe, isso ajuda muito quem está começando. Se tiver alguma crítica, comentário ou sugestão, pode colocar ou aqui no blog ou nos comentários no YouTube que em 24h eu respondo.

Um abraço, e até o próximo post!

Resultado de imagem para the egyptian gif

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A Rebelde do Deserto, de Alwyn Hamilton

A Rebelde do DesertoAutora: Alwyn Hamilton
Título Original: The Rebel of the Sands
Editora: Seguinte
É bom?: ★★★★ 3.5
Páginas: 283
Sinopse: O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher. Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele. Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por lhe revelar o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

Eu não esperava muito de A Rebelde do Deserto, mas definitivamente esperava algumas coisas. Nunca fui fã de histórias de faroeste (apesar de ter amado Westworld, risos) mas embarquei nesse livro por causa da mitologia árabe. Não conheço muitos livros nessa mesma temática e me animei bastante com isso. Apesar de a autora ter ocidentalizado um pouco os elementos árabes, acredito que a construção de mundo foi boa o suficiente e me senti imersa na história. Queria uma história cheia de aventura e magia árabe, e foi isso que eu recebi.

A Rebelde do Deserto é Amani, uma jovem garota que nasceu e cresceu na Vila da Poeira. Sua mãe morreu há algum tempo e agora ela mora com o tio, que pretende transformá-la em uma de suas muitas esposas. Amani não quer esse destino - sonha com a fuga para a cidade grande, e principalmente sonha em não ter mais que sofrer simplesmente por mulher.


Amo essas capas e mal posso esperar para colocar as mãos no segundo livro.
Obstinada, Amani decide participar de uma competição de tiro - disfarçada como homem - e é lá que ela conhece Jin, um forasteiro que pode ser sua única chance de finalmente escapar da Vila da Poeira. Enquanto tenta fugir nossa protagonista se envolverá com tramas políticas, magia e romance. O livro tem tudo o que chama a atenção do leitor, mas sem exagerar: as tramas políticas não são difíceis de acompanhar, a magia trás brilho a história sem torná-la maluca e o romance não atrapalha em nada o enredo, apenas o incrementa.

Eu gostei do livro, 30% por causa da história e do worldbuilding e 70% por causa da Amani. Ela é uma protagonista espetacular. Não se limita a seguir com o que acontece com a história, ela não é passiva: a história acontece por que ela se meche, ela toma decisões, vai a lugares e conversa com pessoas. Fora isso, ela é extremamente honesta (risos) e um pouco insubordinada. Não aceita a injustiça calada e sabe bem o que quer – que é fugir da sua vida miserável. A questão é que, durante o livro, Amani não só foge de sua vida, mas encontra um propósito para a mesma.


Foi um livro divertido e rápido de ler, e definitivamente lerei sua sequência!
A Bandida de Olhos Azuis.