quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

5 razões pelas quais você deve largar tudo o que está fazendo e ir ler As Vantagens de Ser Invisível


Oi Galerinha, como estão?
Eu não ia fazer esse post hoje (provavelmente eu nunca ia fazê-lo, mas estava entediada e resolvi fazer algo de bom na minha vida), mas as circunstâncias foram favoráveis. E, como eu já vi o filme, irei ilustrar esse post com cenas fofas/engraçadas/deprimentes do longa. Mas deixo bem claro que, neste post, estou recomendando mais especialmente o livro, não o filme (a pesar de ele ser bem legal e você ter a obrigação de assistir).
A questão é que eu li esse livro emprestado. Já o queria há algum tempo, mas só consegui lê-lo depois que minha amiga comprou e fez a bondade de me emprestar. Durante a leitura eu quis sublinhar metade do livro, de tantas citações legais e emocionantes que tem nele. Mas como o livro não era meu tive que conter meus impulsos de estragar uma obra T.T
Mas, quando terminei de ler o livro (em uma única tarde, 224 páginas de puro amor <3), enviei um e-mail aos meus pais. Não vou postar o e-mail aqui por que é longo e chato, mas citarei algumas coisas que escrevi para eles aqui.

 

Um pequeno resumo do livro, antes de tudo:
As vantagens de ser invisível conta a história de Charlie, um garoto que está no primeiro ano do ensino médio e cujo amigo cometeu suicídio recentemente. Arrasado por sequer saber o motivo, Charlie sente que sua vida é marcada por perdas e dor: primeiro a de sua tia e agora a de seu único amigo. No começo do ano letivo Charlie acaba conhecendo Patrick e Sam, dois irmãos por consideração, e todos os amigos deles. Além de um professor de inglês que lhe empresta ótimos livros. Com uma turma nova, Charlie aprende a viver a vida, ao invés de assistir a vida dos outros.
Agora vamos ao MOTIVOS!

"Você acha que se as pessoas souberem o quão louco você realmente é,
ainda falariam com você?"
#1 - Charlie é um bobão, como todos nós
Todos nós somos bobões, mas os níveis de bobisse variam de um para outro. Charlie é, na realidade, um completo bobão. Aquele bobão crônico, sem cura mesmo. E acho que foi por isso que me identifiquei tanto com ele, pois sou um bobona de marca maior. O Charlie chora por motivos bobos, fala a verdade sem ter medo (em muitos momentos ele simplesmente não percebe o que a verdade vai causar) e divaga muito. Especialmente no livro, ele começa a falar do professor da escola dele que é legal e termina numa crise de tristeza por que a tia dele morreu.

"Por que eu, e todos que eu amo, escolhem pessoas que nos tratam
como lixo?"
"Nós aceitamos o amor que pensamos merecer"
#2 - Diálogos filosóficos/sem sentido
O livro é recheado dos mais variados tipos de conversa, grande parte não fazendo muito sentido. Mas são diálogos legais, engraçados, muitas vezes você vê que aquilo ali, que está acontecendo no livro, poderia muito bem acontecer com você. Mas você acaba percebendo que, como o Charlie, está assistindo a vida, não vivendo ela. Charlie é um expectador, ele ouve, ele guarda, ele entende. Esse livro nos mostra a jornada de Charlie deixando de ser um expectador para se tornar a estrela de sua própria vida. E todas as conversas que ele tem (principalmente com o professor dele) sempre tem algo que nos faz refletir. Afinal, você realmente é o protagonista da sua vida? Ou tudo gira em torno dos seus estudos/trabalho/filhos/etc?

"Eu não sei se você já se sentiu assim. Essa vontade de dormir por mil anos.
Ou simplesmente não existir. Ou apenas não ser alertado de que
você existe. É por isso que eu tento não pensar. Eu só quero parar esse ciclo."
#3 - É triste, só que não
Este livro está recheado das famosíssimas questões existenciais. Mas elas vão além de "quem sou eu?", "o que quero da vida?" ou "o que irei almoçar hoje?" (parafraseando Douglas Adams). Stephen Chbosky, com seu livro, trata de questões como "eu realmente quero viver?", "isso vale a pena?" e "quanto tempo eu aguento sofrer?". Charlie tem depressão e é ansioso. Quem sofre de ansiedade como eu sabe como é pensar demais em coisas que você não quer. Por mais que aquilo te dê ideias ruins ou vontade de fazer coisas ruins, você não consegue controlar sua mente. Você não consegue parar de pensar. E Charlie pensa muito, em muitas coisas. E, em muitos momentos, você sente a tristeza dele, e você entende pelo que ele passa. Poxa, o cara é sozinho, o melhor amigo dele morreu e tudo o que ele quer fazer é ser feliz. Mas, mesmo com um alto teor de tristeza, o livro é divertido, você se pega sorrindo em vários momentos. Você quer viver aquilo. Afinal de contas, você PODE viver aquilo. Charlie é como todos nós bobões, por isso muita gente se identifica com ele.

"Você poderia escrever sobre nós" - "Isso! Dê o nome de 'A Vadia e o Falcão' e
nos faça solucionar crimes!"
#4 - Faz menções a livros excelentes
Charlie gosta de escrever e cogita muito escrever um livro (depois do milagroso professor sugerir que ele o faça). No entanto, todo mundo sabe que um bom escritor é, antes de tudo, um ávido leitor. Ao longo do livro, o professor de inglês de Charlie empresta para ele vários livros da literatura americana. Alguns eu já conhecia, mas o fato é que TODOS entraram para minha lista de desejados. Os livros são esses:

Uma Ilha de Paz - John Knowles
Walden - H.D. Thoreau
O Sol é para Todos - Harper Lee
O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald
Peter Pan - J. M. Barrie
A Nascente - Ayn Rand
Hamlet - William Shakespeare
Almoço Nu William SBurroughs
Este Lado do Paraíso - F. Scott Fitzgerald
O Estrangeiro - Albert Camus

"E nesse momento eu jurei que éramos infinitos"
#5 - Você se sente infinito
Acho que "eu me sinto infinito" é a máxima deste livro. Todo mundo conhece essa frase, mas pouca gente entende. Na mesma proporção em que John Green diz que "alguns infinitos são maiores que outros", Stephen Chbosky afirma que, mesmo assim, "todos somos infinitos". E você acaba se sentindo infinito depois de ler. Você se sente maior, mais poderoso, mais você mesmo. Por que nossa vida gira em torno de buscar quem somos. Um livro não pode mostrar quem você é, mas pode te fazer realmente pensar a respeito.

Bom gente, é isso. Deixo para vocês o trailer do filme, a música favorita do Charlie e meu poema favorito, que se encontra no livro.




Em uma folha de papel amarelo com linhas verdes
ele escreveu um poema
E o intitulou "Chops"
porque era o nome de seu cão
E era o que estava em toda parte
E seu professor lhe deu um A
e uma estrela dourada
E sua mãe o abraçou à porta da cozinha
e leu o poema para as tias
Era o ano em que o padre Tracy
levava todas as crianças ao zoológico
E ele deixou que cantassem no ônibus
E sua irmãzinha tinha nascido
com unhas minúsculas e nenhum cabelo
E sua mãe e seu pai se beijavam tanto
E a garota da esquina mandou para ele
um cartão de Dia dos Namorados assinado com vários X
e ele teve de perguntar ao pai o que significava X
E seu pai deixou que ele dormisse na sua cama à noite
E era sempre lá que ele dormia
Em uma folha de papel com linhas azuis
ele escreveu um poema
E o intitulou "Outono"
porque era o nome da estação
E era o que estava em toda parte
E seu professor lhe deu um A
e o pediu para escrever com mais clareza
E sua mãe não o abraçou à porta da cozinha
por causa da pintura nova
E as crianças disseram a ele
que o padre Tracy fumava cigarros
E largava as guimbas no banco da igreja
E às vezes elas faziam buracos
Que era o ano de sua irmã usar óculos
com lentes grossas e armação preta
E a garota da esquina riu
quando ele pediu para ver Papai Noel
E os garotos perguntaram por que
a mãe e o pai se beijavam tanto
E seu pai não o cobria mais na cama à noite
E seu pai ficou furioso
quando ele chorou por isso.
Em um pedaço de papel de seu caderno
ele escreveu um poema
E o intitulou "Inocência: Uma Questão"
porque a questão era sobre uma garota
E isso estava em toda parte
E seu professor lhe deu um A
e um olhar muito estranho
E sua mãe não o abraçou à porta da cozinha
porque ele nunca o mostrou a ela
Foi o primeiro ano depois da morte do padre Tracy
E ele esqueceu como terminava
o Creio em Deus Pai
E ele pegou a irmã
se agarrando na varanda dos fundos
E sua mãe e seu pai nunca se beijavam
nem mesmo conversavam
E a garota da esquina
usava maquiagem demais
O que fez ele tossir quando a beijou
mas ele a beijou mesmo assim
porque era a coisa certa a fazer
E às três da manhã ele se aninhou na cama
seu pai roncava alto
É por isso que no verso de uma folha de papel pardo
ele tentou outro poema
E o intitulou "Absolutamente Nada"
Porque era o que estava em toda parte
E ele se deu um A
e um corte em cada maldito pulso
E se encostou na porta do banheiro
porque nessa hora ele não pensou
que poderia alcançar a cozinha.


18 comentários:

  1. Nath, pulei seu texto por que vou ler "As Vantagens de ser Invisível" a partir de semana que vem ;) Daí eu volto aqui pra trocar impressões, rs.

    Abraços ;)

    ResponderExcluir
  2. Tô morrendo de vontadeee de ler esse livro e assistir esse filme que mais parece uma droga porque todo mundo vicia e ninguém fala mal. O mais interessante é que ele foi lançado a alguns bons tempos se não estou enganada né!?
    Conheci seu blog agora pela sua entrevista no CDL e vim aqui e já estou seguindo ;)
    beijoss
    http://sublimar-me.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece mesmo ser droga, lol. Eu gostei muito do livro por que me identifiquei com a história e curti o filme por que foi bem adaptado (o autor do livro é o diretor do filme, tinha que ser bem adaptado).
      Parece que foi lançado há mais de dez anos lol

      Excluir
  3. Caraca Nath,tava entediada é,fala sério?!

    O pessoal diz por aí que o livro é ótimo,mas verdade seja dita,de tudo o que li, o poema que escolheste me arrepiou,nunca imaginei um final assim,comecei a ele meio sem sentido,depois foi tomando forma e bum,fiquei de queixo caído.Muito bom,mas deprimente tb.

    Bjos
    www.roubandolivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que estava mesmo morrendo de tédio XD
      A primeira vez que li esse poema foi no tumblr, em inglês, e eu só descobri que era parte do livro no final. Achei lindo demais, me identifiquei até a alma. É meu poema favorito.

      Excluir
  4. aaaaaaaaaaaaaaaah!
    Já tava louca por este livro!
    Agora, então!

    O título dele me atrai! :)

    Sobre as referências, Já li Hamlet e o Apanhador no campo de centeio. Nem preciso dizer o quanto amo, preciso?!

    Um beijo,

    http://algumasobservacoes.blogspot.com/
    http://escritoshumanos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu também gosto do título :3 Eu nunca li Hamlet, mas já li Otelo e achei super legal, pretendo ler outras obras do Sheakspeare. E o Apanhador eu não li AINDA, mas NECESSITO!!

      Excluir
  5. Ain triste com sua postagem!

    Louco pra ler esse livro mas a fila ta gigante! hahaha
    Adorei o post* Ficou perfeito!

    HAHAHA
    Vim retribuir a visita e dizer que também estou seguindo o seu blog*
    :) Espero que possa me seguir também '-'

    Lucas Farias
    - Abraços -
    http://apanhadordelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ops... já está me seguindo' rsrs Obrigado Bjo

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Amei o poema e com a musica de fundo me deu uma vontade de ler o livro :S
    vou ver se consigo eler super virou necessidade depois desse poema xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, esse poema me fez querer ler o livro de uma forma surpreendente. Adoro a música, ouço todos os dias *O*

      Excluir
  8. Adorei a dica. Tipo...estou de olho nesse livro faz tempo, mas os livros dessa editora são meio salgados,né? Sorte que sua amiga te emprestou. Adoro livros que falam de outros e já curti isso. A Música do The Smiths está no meu favoritos do Youtube...muito fofa.Mas ainda prefiro ler o livro do que ver o filme fico sempre com um pé atrás,sabe?
    Beijos!
    Paloma Viricio- Jornalismo na Alma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meio? São caríssimos. Tive que vender meu kinder ovo para dar entrada nesse livro lol
      Eu também sempre prefiro ler o livro, mas achei o filme super fofo *O*

      Excluir
  9. Nath ADORO o jeito que você escreve, se expressa e fala sua opinião.
    Eu li o livro e concordo com você em tudo. Minha resenha já está pronta, mas não acho que consegui me expressar tão bem quanto você.
    Oque estragou o livro foi algumas partes em que o Charlie dá aqueles chiliques.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado mesmo *O*
      Eu também tive raiva dos chiliques dele, mas acho que eram necessários ><

      Excluir

Olá, ser (in)humano! Tudo bão?
Então, seje feliz e comente o que quiser! Só não vale ser preconceituoso, postar conteúdo indevido ou me encher de spam (eu tenho lotes para capinar, sabia?).
Caso tenha alguma pergunta sobre o post, pode comentar que eu responderei dentro de 24 horas. Mas, se quiser, pode me mandar um e-mail! Meu endereço é: nlbrustolin@hotmail.com
Divirta-se =D