segunda-feira, 7 de junho de 2021

Leituras do mês: MAIO #2021

Alou, alou, geleros! Tudo bom?

Apesar de eu estar postando este vídeo no blog apenas dia 07/06 (ou seja, uma semana depois do início do mês), eu o postei no Instagram no dia 02/06. Sempre me esqueço de atualizar estes conteúdos que não são do canal aqui no blog, mas aqui está, com um tequinho de atraso! Perdão!

Eu consegui ler bastante em maio e li muitas coisas diferentes, além de ter lido um livro bem longo e complexo. Estou satisfeita com as minhas leituras, e vocês vão ver que 15 minutos sem edição nem sempre é o suficiente para falar tudo o que é necessário. Mesmo assim, estou gostando desse formato mais descontraído no IGTV.

Lembrando que meus vídeos de leituras do mês são postados no IGTV, no Instagram, pois são vídeos mais espontâneos e sem edição. Espero que gostem! =D


Leituras concluídas em maio:

A Jornada do Escritor: (187 + 46 páginas)

Minha Querida Sputnik: (129 páginas)



Leituras iniciadas e finalizadas em maio:

Crônica de Uma Morte Anunciada: (96 páginas)

Filhos de Duna: (528 páginas)

O Conto da Aia: (368 páginas)


Leituras em andamento:

O Nome da Rosa: (101 páginas)

Os Testamentos: (227 páginas)


TOTAL DE PÁGINAS LIDAS EM MAIO: 1.682


E foi isso que eu li em maio! Fiquei muito feliz por ter lido o Filhos de Duna inteiro em 12 dias, foi uma verdadeira maratona, e posso afirmar que estou amando o livro! Aliás, eu já escrevi um resumo dele, que está disponível no blog. Clique aqui para ler o resumo de Filhos de Duna!

Fora o terceiro livro de Duna, também reli dois livros que amava (um deles do Murakami, e sim, farei uma segunda resenha dele!) e estou conhecendo novas histórias incríveis, além de estar estudando novamente A Jornada do Escritor.

Espero que junho seja mais um mês cheio de leituras marotas. E você, o que andou lendo nos últimos tempos? Não esqueça de me contar nos comentários!

Um beijo e um queijo a todos, e até a próxima!!!

Vocês já assistiram ao incrível
MV de Gambler? Os Monek
entregaram tudo (como sempre).

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Resumo de "Filhos de Duna", de Frank Herbert

 


Oie, galero lero!!! Turu pom?

Novamente, estou eu aqui, fazendo um resumo de um livro da saga Duna. Achei que demoraria para ler o terceiro livro, mas só faz dois meses que li Messias de Duna e já estou aqui! 

DISCLAIMER: Este post é um resumo do terceiro livro da saga Duna, "Filhos de Duna", de Frank Herbert. Quero deixar claro que, apesar de eu escrever resenhas de livros há uma década e de ser formada em literatura, este resumo não é um texto profissional. Eu apenas compilei as notas que fiz em meu celular enquanto lia. Até revisei, pra ter certeza de que o texto pelo menos faz sentido, mas aqui há teorias que fui criando enquanto lia, alguns memes aleatórios de bobagens que pensei durante a leitura e, é claro, contém minha opinião sobre personagens e acontecimentos. Ainda assim, é um resumo bastante completo para quem está perdido na leitura ou leu o livro há um tempo e quer refrescar a memória antes de ler as continuações. Em breve começarei a ler "Imperador Deus de Duna", e pretendo ir fazendo resumos de todos os livros conforme eu for lendo a saga.

Ah, este texto obviamente contém SPOILERS!!!


RESUMO DE "FILHOS DE DUNA"


Stilgar faz rondas nos quartos dos gêmeos Ghanima e Leto, a fim de checar se as crianças de nove anos estão seguras. Enquanto elas viverem, o legado de Muad'Dib viverá. Mesmo que os fremen tenham se espalhado pelo universo, as duas crianças ainda são importantes.


"Como eram simples as coisas quando nosso messias era somente um sonho".


Os fremen não seguem mais a disciplina da água, pois a chuva existe e pessoas já morreram afogadas em Arrakis. No dia do início da história, Jéssica está voltando de Caladan para ficar com os netos em Arrakis. Stilgar pensa em matar as crianças, reflete sobre que tipo de impacto isso causaria. Ele mal as vê como crianças, pois são como Alia: têm sabedoria infinita além de seus nove anos.

As Bene Gesserit viam as crianças geradas após o vício pela especiaria como aberrações, e talvez Jéssica, que voltou à doutrina Bene Gesserit, esteja vindo se livrar das crianças. Stilgar pensa, principalmente, em como é perturbador Leto agir como Paul e praticamente parecer uma reencarnação do pai. Stilgar também não gosta do endeusamento de Muad'Dib, vê isso como uma espécie de heresia. No fim, ele decide não matar os gêmeos. Ghanima e Leto se preparam para receber a avó, percebem que a tia Alia não está muito feliz com isso.

 

"É com razão e com base em terríveis experiências que chamamos os pré-nascidos de uma Abominação. Pois quem sabe qual persona perdida e amaldiçoada saída de nosso passado maligno pode ocupar a carne viva?".

 

Há uma pessoa andando por Arrakis e profetizando coisas sombrias sobre as Abominações. Leto considera ser seu pai, que se perdeu no deserto, enquanto Ghanima acha que não. Ghanima parece preocupada com o futuro deles, pois pré-nascidos costumam ter destinos trágicos, principalmente se não experimentarem a overdose (como a que Alia sofreu no livro anterior).

 

"Conhecimento demais nunca facilita decisões simples".

 

Alia lamenta não ser capaz de ver o futuro como Paul. Ela pensa que pelo menos Leto precisa ser seduzido a experimentar o transe, pois ele pode despertar o poder da presciência. Ela ressente a mãe por ter dado a luz a Paul antes dela, por ele ser o Kwisatz Haderach nascido muito antes do tempo. Duncan Idaho pensa que Jéssica veio buscar os gêmeos para levá-los para a Irmandade, pois eles têm os genes do Kwisatz Haderach também.

Numa simulação, Leto e Ghanima estão passeando quando tigres laza, treinados e controlados pelos Sardaukar, os atacam. Querem a morte dos Atreides para usurparem o trono.

Jéssica chega a Arrakis e fica emocionada com as lembranças da primeira vez em que foi até lá, com o duque Leto. Ela vê a religião em torno de Alia como algo terrível e que precisa acabar. Ao ver a filha, percebe que Alia se perdeu no vício ao mélange, e espera que o mesmo não tenha acontecido com os gêmeos.

Ao descer da nave, Gurney e seus homens atacam pessoas que representam perigo para os gêmeos. É uma cena que não entendi bem. Stilgar fica satisfeito com o ataque, mas Alia acha que é uma espécie de afronta. Mãe e filha se veem como inimigas. Alia chega a questionar a lealdade de Stilgar. Dois religiosos suspeitos, Javid e Zebataleph, falam de Paul com adoração, mas não parecem fremen de verdade. Eles rapidamente acham que Jéssica é herege: a mãe do deus Muad'Dib, entre todas as pessoas! Ela aceita participar da reunião religiosa e adiar um pouco o encontro com os netos. Leto tem se sentido distante de Ghanima, como se o laço de gêmeos que os liga tenha se enfraquecido apenas do lado dele.

 

"Com a mesma clareza de quem tivesse testemunhado os acontecimentos, ele via o que havia se passado nesse planeta, e isso o preenchia com a sensação premonitória das mudanças cataclísmicas que a intervenção humana estava desencadeando".

 

Falam muito de trutas da areia neste livro, e não lembro delas terem sido mencionadas nos dois primeiros livros. Segundo Leto, Duna era um planeta rico em água, e as trutas a sugaram até que o planeta secasse, e essas trutas evoluíram para os vermes de areia. Leto prevê que os vermes da areia deixarão de existir, agora que Duna é um planeta verde e cheio de água, e a especiaria deixará de existir com eles. Ghanima pensa que Alia sabe disso. Leto conta para Ghanima que está tendo sonhos proféticos. Ele sonhou que foi a um lugar sagrado chamado Jacurutu, e conversou com o tal Pregador, que os gêmeos desconfiam poder ser Paul (Ghanima começa a acreditar na teoria).

Gurney Halleck interrogou homens de Alia que morreram ao falar sobre Jacurutu. Jéssica conhece a lenda. Gurney lhe diz: "Alia é sua inimiga, e a maior parte do clero pertence a ela". Jéssica tem certeza de que Javid é um espião clérigo que odeia os Atreides.

O capítulo fala sobre O Pregador, que muitos desconfiam ser Paul (por ele ser cego, por falar coisas sobre o futuro e sobre a religião dos fremen, e por parecer uma figura meio messiânica). Os cegos fremen devem ser entregues a Shai-hulud, então é curioso que este homem cego esteja à solta por aí e fazendo pregações. O Pregador não está sozinho e anda com Tariq, um jovem de 14 anos da nova geração fremen, que naturalmente possui mais água em seu corpo. Os dois vão ao templo de Alia juntos e observam as adorações a Muad'Dib por um tempo. Um dos adoradores diz que viu a cidade se transformar em areia, em deserto, e todos riem, mas é então que O Pregador exige silêncio de todos, e os presentes se calam. Quando questionam se ele é Muad'Dib, ele mostra uma mão mumificada do deserto, que deve significar algo para os fremen.

Tyekanik, um Sardaukar, conversa com a princesa que ordena os tigre laza para matar os gêmeos Atreides. Ela pergunta ao Sardaukar se ele acha que o filho dela gostará de um título real. Essa é a princesa Wensicia, filha do imperador Shaddam IV, e o neto de Shaddam é seu filho. Ela é da casa Corrino, e quer eliminar os Atreides para que seu filho seja imperador. Também quer acabar com os fremen. Aparentemente, Wensicia é irmã de Irulan. Fica claro que, mesmo sendo servo dessa princesa, Tyekanik não gosta dela. Ela tenta reforçar sua superioridade a ele a todo momento, e ordena que ele adote a religião do Muad'Dib. Ordena que ele prepare dois trajes de presente para os Atreides, trajes que condicionarão os tigres a atacá-los.

 

“Um exército é constituído por partes descartáveis e completamente substituíveis".

 

Jéssica conversa a sós com Ghanima. Ela sente que algo está errado com Leto, que ele esconde algo, ainda que não seja uma Abominação da mélange como Alia. Jéssica fala sobre o teste com o gom jabbar para Ghanima, e que é inútil testar os netos da mesma forma, pois eles já sabem como o teste funciona – e provavelmente são humanos. Jéssica acha que Ghanima é humana, mas não tem certeza quanto a Leto e Alia (essa coisa dos humanos e animais nunca é verdadeiramente explicada).

 

"Nem mesmo o amor pode nos proteger de fatos indesejáveis".

 

Jessica e Ghanima expressam preocupação em relação a Leto, que parece ser manipulado por Alia ou desejar se tornar como ela. As duas querem entender essa história de Jacurutu.

 

"Somos uma única vida indo em busca de um futuro sombrio".

 

No início de um capítulo há um juramento de Leto como governante. Spoiler? Algo que não sou capaz de compreender ainda?

Alia reflete sobre como foi difícil crescer como uma pré-nascida, considerada Abominação até por sua mãe. É revelado que, depois de Paul ter se entregado ao deserto, ela se casou com o ghola de Duncan Idaho. Recentemente, Alia tem se sentido perdida nas personalidades das vidas passadas às quais tem acesso, e o barão Harkonnen têm tomado sua mente de vez em quando. Alia interroga Essas Paymon, um espião da CHOAM que é contrabandista. Acaba contratando-o para seu lado, como espião. Javid é sacerdote ("secretário") de Alia. Mas, logo após ser contratado, ele diz uma frase herege, e ela o executa na hora. Isso faz com que as vozes de seus antepassados fiquem cada vez mais fortes em sua cabeça, até ela não conseguir pensar sozinha. Agamenon e Ovídio são alguns antepassados que pedem uma audiência com Alia.

 

"De um dado ponto de vista, minha criança, cada incidente da criação representa uma catástrofe".

 

Alia começa a ouvir a voz de Harkonnen cada vez mais alta, ele promete ajudá-la a controlar as vozes e a atingir seus objetivos. Alia sabe que ele era mau, ela mesma o matou no final do primeiro livro, mas as vozes são demais para ela, e seu julgamento está afetado.

 

"O propósito de uma discussão é mudar a natureza da verdade".

 

Harkonnen é um mestre manipulador, dizendo tudo que Alia quer ouvir para acalmá-la, e ainda por cima usando-a para seus próprios fins. Quando Alia questiona a moralidade de uma de suas sugestões (trair Duncan com Javid, pois Duncan, como Mentat, entenderia), ele responde: "A moralidade sempre deve se basear no lado prático. Uma vitória é inútil, a menos que reflita seus mais profundos desejos".

Harkonnen planeja fazer Javid confessar sua traição ao mentir sobre as palavras de Paymon e matá-lo no ato. Mas ninguém pode saber que Alia está possuída pelo avô, pois possessão é motivo para execução entre os fremen.

 

"Agora, existe um bom motivo para julgamentos, não essa bobagem de justiça! Não existe isso de uma justiça igualitária, em lugar nenhum. Perturba-se a ordem social quando se tenta alcançar um equilíbrio tão falso".

O diálogo da página 90 é foda demais. Alia pede a uma de suas guardas que leve Javid imediatamente aos seus aposentos, pois ela colocará o plano de Harkonnen em prática.

A citação que abre o capítulo da página 93: incrível.

Muriz é um idoso fremen, pai de Tariq, o garoto de 14 anos que acompanhava O Pregador. Hoje ele se tornará um homem, e deve matar uma pessoa. Este é um ritual exclusivo dos Excluídos, um povo ou seita, talvez? São um povo antigo do deserto, e Muriz pegou seis fremen ricos que "compraram" um ritual antigo para serem abençoados. Muriz quer recuperar a água deles (matando-os). Quando terminam de matar, Muriz diz ao filho que ele não deve contar isso ao Pregador. Aí tem coisa.

Ghanima e Leto fazem uma espécie de meditação para incorporarem Paul e Chani, uma coisa meio estranha para dois irmãos gêmeos fazerem... Em contato com o pai, Leto questiona como ele poderá desbloquear seus poderes sem se tornar como Alia, mas Paul mesmo disse que ele não foi capaz disso sem precisar se cegar e se sacrificar. Paul diz que ele é apenas um reflexo da consciência do filho, mas que personalidades mais fortes podem agir por conta própria, como Harkonnen. Quando Leto volta a si, ele percebe que Chani quer tomar o corpo de Ghanima. As mulheres são mais suscetíveis a deixar que personalidades passadas as possuam, se tornando Abominações como Alia. Por isso as Bene Gesserit precisavam gerar um homem, como Paul, que não seria suscetível à possessão.

 

"Será que nada neste mundo é confiável? [...] A maioria dos erros fatais decorre de suposições obsoletas".

 

(Um foreshadowing para a forma como Harkonnen enxerga o mundo?)

Ghanima vê que o Caminho Dourado de Leto é perigoso e que o poder do Kwisatz Haderach deve fracassar, pois Leto se sente repugnado com a ideia dos dois acasalando (alguém sensato, finalmente). Eles têm que trabalhar juntos e sacrificar um deles.

 

"Nós acompanharemos um ao outro até os domínios da morte, embora somente um possa retornar para reportar o acontecido".

 

"Nós, Atreides, temos a reputação de nossa audácia a manter. Então, pegaremos o que precisamos".

 

Ghanima diz que Leto não é Osiris, ou seja, não é um deus dos mortos. O sacrifício que ele fará provavelmente não tem retorno: ele morrerá? Mesmo unidos pelo plano, Ghanima acha que o irmão esconde algo dela. Eles falam sobre um teste misterioso, confesso que estou um pouco confusa acerca do plano deles. O que é o Caminho Dourado, afinal?

Farad'n, filho de Wensicia, conversa com Tyekanik. Não parece querer o trono. O rapaz confia em Tyek e parece relutante em aderir à religião. Tyek, secretamente, quer que o plano de Wensicia falhe. Após convencer o rapaz a receber um interpretador de sonhos cego (o Pregador???), ele conta seu sonho da água escorrendo para cima, dos mundos dançado e da serpente que se transformava em verme da areia. O homem (que de fato é O Pregador) interpreta o sonho, mas não conta sua interpretação a Farad'n, que fica pistola. Eles brigam, ameaçam o cara de morte, mas no fim o Pregador reverte tudo e Farad'n acaba gostando dele, querendo que ele seja seu intérprete oficial dos sonhos. No entanto, Tyek diz que o Pregador deve voltar a Arrakis, pois um poder maior o convoca para lá. Sabemos que Alia quer o Pregador morto.

 

"Governos podem subir e cair por razões que parecem insignificantes, príncipe. Eventos tão pequenos! Uma discussão entre duas mulheres... o lado por onde sopra o vento num certo dia... um espirro, um pigarro, o comprimento de um manto ou a colisão imprevista de um grão de areia com o olho de um cortesão. Nem sempre são as majestosas preocupações dos ministros imperiais que ditam o curso da História, nem são necessariamente as pontificações dos sacerdotes que movem as mãos de Deus".

 

O Pregador dá vários conselhos estranhos, fala de Duncan Idaho e depois vai embora. Farad'n sente-se mais atraído ainda pela religião. Leto e Jéssica conversam, ela continua questionando-o sobre Abominações e o poder da presciência, mas Leto jura não saber o futuro, pelo menos não de forma deliberada. Jéssica vê seu amado duque Leto nas atitudes do neto, o que a perturba.

 

"- Você me lembra seu pai - ela murmurou.

- Isso é doloroso para você?

- De certo modo, mas é tranquilizador saber que ele está vivo em você.

- Como é pouco o que você entende de como ele vive em mim".

 

Leto explica a Jéssica sobre como o rapto dela beneficiaria Wensicia e Farad'n, bem como Alia. Jéssica acha que Alia não seria capaz, mas não sabe que a filha foi tomada por Harkonnen. Leto acusa a avó de trabalhar para as Bene Gesserit, que só se importam com o programa de reprodução seletiva. Diz que a avó quer fazer os gêmeos acasalarem. Jéssica diz que não, mas percebe que estava sendo manipulada pela Irmandade Bene Gesserit esse tempo todo. Jéssica mesmo denunciou Alia por tornar seu corpo imortal, e espera a Irmandade fazer algo a respeito. Leto fala sobre se tornar um com o tempo.

 

"Não existe diferença entre dez mil anos e um ano; nenhuma diferença entre cem mil anos e um batimento do coração. Nenhuma diferença. Esse é o primeiro fato sobre o Tempo. E o segundo é: o universo inteiro, com todo o seu tempo, está dentro de mim".

 

Quando Leto demonstra ter controle sobre a avó através da Voz, ele a convence (sem a Voz) a se permitir ser raptada por Alia. Quando a conversa termina e eles se separam, Leto avisa a Ghanima que o plano deles funcionou. Será que Ghanima usou sua conexão feminina com o passado para saber manipular a avó?

 

"Quem comete uma atrocidade também comete as futuras atrocidades que ela engendra".

 

O Pregador volta ao templo de Alia, e ela o observa com curiosidade, duvidando que ele possa ser Paul, mas ainda sem ter 100% de certeza. Irulan decidiu aceitar as vestes de presente para os gêmeos, o que quer dizer que ela está na tramoia com a irmã dela, Wensicia. Javid está aqui, mas eu pensava que Alia tinha chamado-o ao seu quarto para interrogá-lo e matá-lo. O que deu isso?

O Pregador começa a falar e a acusar as pessoas de coisas. Diz que Alia guardou em seu ventre o segredo da duração (como viver mais com mélange?) e trocou esse segredo por nada. Diz que Stilgar é muito rígido consigo mesmo e que isso acabará nele se exilando. Depois, aconselha que Irulan fuja. Diz para Duncan que lealdade não pode ser comprada e que deve fugir com seus chifres.

 

"A santidade substituiu o amor na religião de vocês! Vocês cortejam a vingança do deserto!".

 

"A razão nasce do orgulho para que o homem, desta forma, não saiba quando agiu mal".

 

Após o discurso do Pregador, Alia percebe que seu controle sobre o Imperium é extremamente frágil, principalmente se o povo fremen encontrar um novo líder no Pregador. A voz de Harkonnen novamente planeja novos passos, como capturar Jéssica e desacreditar a casa Corrino. Stilgar e Leto saem caminhando pelo deserto à noite. Stilgar acha perturbador como Leto fala igual ao pai, o que o faz pensar na Abominação e na possessão. Para os fremen, possessão é um tabu tão sério que a água da pessoa morta é lançada à areia, para não contaminar a cisterna do sietch. Leto conta a Stilgar sobre três caminhos:

01) Ele mata sua avó para impedir a perda do monopólio de especiaria.

02) Ghanima e ele se casam para garantir a descendência dos Atreides.

03) Leto deve desdeificar a figura do pai, fazendo com que todos o vejam como humano.

Leto pede que Stilgar tome cuidado com Alia.

 

"O governante não precisa ser profeta, Stil. Nem mesmo precisa ser divino. O governante só precisa ser sensível".

 

Leto não quer governar o Imperium, mas Stil acha que ele deve por ser um Atreides, se puder se comportar como um regente. Leto não gosta que Stil o trate como criança.

 

"Eu não tenho uma primeira pessoa do singular. Eu sou uma pessoa múltipla, com recordações e tradições mais antigas do que você possa imaginar. Esse é meu fardo, Stil. Sou focado no passado. Sou cheio até a borda de um conhecimento inato que resiste a inovações e mudanças. Mas Muad'Dib mudou tudo isso".

 

Leto gesticula para o deserto que não é mais deserto, e Stilgar sente que aquilo tudo é uma perversão do que Duna foi e deveria ser. Secretamente, deseja que tudo se transforme num deserto árido novamente.

 

"- Por que preciso tomar cuidado com a sua tia?

- Porque ela manipula o antigo desejo fremen de resistir a mudanças, para então provocar uma mudança muito mais terrível do que você possa imaginar".

 

Leto instrui Stilgar a fugir do Sietch Tabr com Ghanima se ele morrer no deserto. Stil reluta e diz que Leto não é seu duque, apenas uma criança. Ele faz um comentário estranho sobre as moças estarem lindas neste ano (???). Stilgar pensa na fala de Leto. Repara que as moças e os rapazes estão bonitos, exibindo corpos que antes ficavam escondidos nos trajestiladores. A paisagem é bela e as pessoas não têm medo de desperdiçar água. Isso o assusta e o deixa admirado ao mesmo tempo.

 

"No âmbito delineado pelos velhos costumes e as antigas religiões, não existia futuro, só um agora interminável".

 

Stilgar pensa no passado, como o padixá da casa Corrino usava Arrakis como uma espécie de planeta de testes. Mesmo sendo um homem conservador, que resiste a mudanças, Stilgar percebe o perigo nas falas de Alia, que quer controlar o povo sob qualquer pretexto e encarna a ideologia fremen do apego às tradições. Leto faz Stilgar perceber que mudanças são bem-vindas, e que ajudarão o povo a longo prazo. Alia conversa com Duncan Idaho, seu marido, sobre planos futuros. Duncan acha que Stilgar é inofensivo, Alia o vê como potencial problema. Alia contou a Duncan seu plano de sequestrar Jéssica e colocar a culpa na casa Corrino, para desacreditá-los, e Duncan acha um plano frio e calculista. A lealdade dele ainda é com os Atreides?

Ele desconfia que Alia realmente o esteja traindo com Javid. Como Mentat, Duncan faz vários cálculos e suposições, chegando à conclusão de que a casa Corrino, por pior que seja, jamais usaria de forças nucleares, que são proibidas, inclusive. Só existem no caso de surgir uma inteligência maior (algo fora da compreensão humana?). Ele pergunta se Alia não quer a mãe morta, e percebe que ela finge estar chocada com a sugestão. Ela revela que teme a própria mãe, pois Jéssica a denunciou para a Irmandade por ficar mais jovem por mais tempo com conhecimentos Bene Gesserit. Diz que Jéssica era Bene Gesserit antes de ser sua mãe e que pode fazer coisas cruéis aos filhos, como fez ao submeter Paul ao gom jabbar. Tomando a situação em suas rédeas, Duncan diz que ele mesmo irá sequestrar Jéssica e levá-la a um lugar escondido, não conta a Alia sob o pretexto de que, se ela não souber, não poderão arrancar a verdade dela. Alia acredita. Duncan sai do encontro chorando.

Ghanima e Jéssica conversam, Ghanima leva Jéssica a pensar nos gêmeos como inaturais por conhecem até mesmo a intimidade de seus passados. Jéssica acha inapropriado que uma criança e uma adulta tenham conversas como estas, sem perceber que ela é uma criança, perto da própria neta. No final da conversa, Ghanima dá a entender que o pai era como um médico para animais feridos, e que INFELIZMENTE deixou muitos animais feridos para trás. Ela não gosta da herança messiânica do pai? Quer destruir essa herança? ESTOU DESCONFIADA!!!

Alia está puta porque querem Jéssica no Conselho da Regência. Duncan e Irulan estão com ela. Como Mentat, Duncan calcula que Irulan ama os gêmeos e os protegeria de tudo. Será que ele está errado, ou talvez certo, e Irulan tenha seus próprios planos? Alia não acha que a CHOAM esteja por trás disso. A Casa Atreides possui 51% das ações, o sacerdócio de Muad'Dib possui mais 5%. Todos no universo precisam do mélange para navegar com as naves espaciais e para viver vidas longas. Ela não acha que avacalhariam o recebimento da mélange, que só é produzida em Arrakis. Porém, Duncan parece muito certo sobre sua suspeita da CHOAM. Está tentando enganar Alia, como fez com Jéssica? Está sendo difícil para mim entender as motivações deste personagem.

No entanto, a CHOAM não trabalha apenas regulamentando mélange, pois regulamente literalmente tudo que é comprado e vendido, inclusive serviços. Guerreiros espadachim, Mentats, médicos e financistas têm sido cada vez mais contratados por casas menores em ascensão, o que significa que o Landsraad pode estar por trás de tudo. Depois de uma briga entre Alia e Duncan, Irulan sugere que talvez a CHOAM tente assassinar Alia, uma vez que os gêmeos são "apenas crianças". Duncan, em sua mente, acha que são os gêmeos que correm perigo. Irulan deve saber, pois sua irmã quem planeja a morte deles, e por isso desviou toda a atenção a Alia. Porém!!! Logo em seguida ela dá a dica de um ataque animal, o que faz Duncan ficar alerta acerca dos trajes de presente aos gêmeos, mas Alia descarta a hipótese.

Duncan realmente não é mais leal a Alia, pois chega a imaginar que tudo seria mais fácil se ela realmente fosse o alvo, até fantasia em matá-la. Alia de nada desconfia. Duncan precisa de um aliado, e pensa em Jéssica, mesmo com todos os riscos. Jéssica vai ao conselho. Javid parece ter montado uma armadilha, querendo que Jéssica denuncie O Pregador por ser um falsário e por fingir ser Paul. Jéssica não acredita que ele seja Paul e não dá muita atenção a ele, mas Javid parece obstinado. Jéssica nega fazer a denúncia categoricamente, e Javid sai, resignado. Jéssica desconfia que Javid e Alia sejam amantes e começa a teorizar que Alia é uma Abominação por vontade própria. Quando Alia aparece na reunião, todos os presentes percebem a animosidade entre mãe e filha. Jéssica se lembra de um bilhete de Duncan e decide falar com ele depois da reunião. Durante uma audiência, Alia e Jéssica se sentam em tronos idênticos, mas Alia fica no lado masculino, deixando transparecer a possessão por Harkonnen.

 Um trovador pede dinheiro para ir para Salusa Secundus, a fim de tocar na corte de Farad'n. Jéssica pensa que é um ardil, já que os Corrino são inimigos dos Atreides. Ele toca uma música que ofende Alia, mas Jéssica gosta.

 

"Se você descartar os que relatam as coisas com exatidão, só conservará aqueles que sabem o que você deseja ouvir".

 

Jéssica manda o trovador para Farad'n e ela e Alia atendem um fremen. Uma emboscada começa, e Jéssica percebe que ela é o alvo, ainda que o fremen Al-Fali pense que é ele, por trazer questões do deserto à audiência. Mas ele percebe a verdade e ele e Jéssica se protegem mutuamente. Um sacerdote morre, e Alia tenta prosseguir como se nada tivesse acontecido. Alia manda prender suspeitos e diz que o sacerdote morto era um traidor dos Atreides. Jéssica diz a Al-Fali que a procure depois, será que ela vê um aliado neste naib?

Na página 209 Jéssica bota fogo na lona do circo ao chamar Alia de Abominação assassina, anunciando a todos os presentes que a filha tentou matá-la e que se faz de desentendida. Jéssica percebe um maneirismo de seu pai, e entende que Harkonnen possuiu Alia. Alia percebe que a mãe entendeu tudo, o que significa que Jéssica não pode sair viva desta reunião. Jéssica retorna a atenção a Al-Fali (Ghadhean?), que diz que Shai-hulud não está mais sendo encontrado, que os fremen abandonaram o deserto! Jéssica percebe o perigo do desaparecimento dos vermes: sem vermes não há mélange, e sem mélange eles não têm moeda de troca e recursos.

Mas Alia defende a visão de Paul e do planetólogo Liet-Kynes de transformar Duna em um planeta rico em plantas e água. Jéssica acha que essa afirmação de Alia é contra produtiva. Harkonnen apenas quer destruir os Atreides, mesmo que isso destrua a mélange. Jéssica achou que estava protegida das atitudes de Alia, mas percebe agora que não é com a filha que está lidando, e Harkonnen não tem escrúpulos.

 

"A transformação ecológica tornou-se uma tempestade fora de controle!".

 

Alia deixa claro, na língua Atreides, que Vladimir Harkonnen a possuiu. Jéssica convoca os Fedaykin para escoltá-la para fora, mas apenas cinco dois seis obedecem. Leto e Ghanima fogem da vigilância do guarda com armas e com os trajes presenteados pela casa Corrino. Parece que Leto caminha para sua execução (ou sacrifício). Os dois chegam ao ponto no deserto em que Leto disse a Stilgar que morreria. Leto diz que provavelmente serão atacados por um animal, Ghanima diz que serão dois. Por algum motivo, Leto parece pensar que ele vai sobreviver, mas que Ghanima deve achar verdadeiramente que ele morreu. Existe um esconderijo, e ele teme não alcançá-lo.

 

"Esse é o caminho certo. Fizemos a coisa certa. Mas ele sabia como era perigoso estar certo nesse universo".

 

"Não se pode ter nada sem seu oposto".

 

Jéssica reflete sobre a denúncia que fez contra Alia para a Irmandade das Bene Gesserit.

 

"Quando Deus deseja que uma criatura morra num determinado lugar, ele faz a vontade dessa criatura levá-la diretamente para lá".

 

Jéssica e Al-Fali conversam sobre seus planos. Stilgar e Duncan estão trabalhando juntos, o que surpreende Jéssica, que achava que Duncan não sairia do lado de Alia. Ela o confronta, dizendo que Alia o mandou sequestrá-la. Ele traiu Alia, no fim Stilgar disse a Duncan que acha que os gêmeos foram ao deserto sozinhos para se esconder.

 

"Alia agora detém o poder com firmeza. [...] Pode-se usar o poder segurando-o com leveza. Segurá-lo com firmeza demais é o mesmo que ser dominado pelo poder e tornar-se sua vítima".

 

Jéssica se entrega ao "sequestro" de bom grado, pois confia em Duncan Idaho. Ela diz para Al-Fali levar os Fedaykin para Sietch Tabr se sobreviverem, pois Stilgar irá recebê-los. Al-Fali resiste em confiar em Duncan, por ele ser casado com Alia, "a Jovem Coan" (e por ser um ghola). Jéssica confia nele e parte de tóptero para o "sequestro". Ao ficar sozinha na nave com Duncan, ele revela ter seu próprio plano, diferente do de Jéssica e de Alia. Ele prende Jéssica e vai levá-la para Salusa Secundus, a fim de que treine Farad'n como treinou Paul: para ser um Kwisatz Haderach. Tudo isso sob as ordens do Pregador.

Wensicia apresenta ao filho Farad'n todo o plano que foi posto em prática para que ele seja imperador. O rapaz não gosta disso, pois tem aspirações de filósofo e não quer governar, sente que é uma perda de tempo. Apesar de estar sendo usado, ele não é burro e coloca a mãe em seu lugar. Não gosta da estratégia de usar os tigres laza contra os gêmeos. Parte para estudar sobre a família Corrino.

Os tigres laza aparecem para atacar os gêmeos e eles tentam fugir, mas o traje de Ghanima a deixa presa e ela machuca a perna. Eles conseguem fugir, e Ghanima e Leto percebem que precisam se separar e que nunca mais terão a mesma conexão que tinham até o momento.

Ela vai voltar e caçar o traidor, enquanto Leto irá para Jacurutu/Fondak, um lugar lendário e oculto até o momento. Leto parte e Ghanima condiciona sua mente a acreditar que Leto de fato foi morto pelos tigres laza. Leto foge montando um verme, a Ghanima vai espalhar a notícia da morte do irmão.

Wensicia, Tyekanik e Farad'n conversam sobre Duncan e Jéssica numa espécie de sala de comunicações. Eles se perguntaram o que levou Duncan a trair os Atreides agora e entregar Jéssica, ou se este é um ardil da parte dele. Levantam a hipótese de que ele está buscando asilo para Jéssica, se Alia realmente perdeu a sanidade. É revelado que Javid é um espião da casa Corrino. Farad'n finalmente se sente seduzido pela ideia de ser imperador e levar sua linhagem (dos Corrino e como herdeiro de Shaddam IV) de volta ao Trono do Leão.

Farad'n sempre desdenha de tudo o que a mãe diz ou faz, e Tyek claramente não gosta de Wensicia, então acho que ou ela vai se lascar muito neste livro ou vai fazer todo mundo se lascar para benefício próprio. Eles conversam sobre os trajestiladores e sobre como a tradição a respeito deles tem morrido aos poucos entre os fremen, já que não são tão necessários. Ainda assim, os fremen usam vestes que parecem trajestiladores, o que os leva a pensar que um problema que podem ter é com os conservadores de Duna. Farad'n foi treinado como Sardaukar, ainda que goste de filosofia e estudos, e tem uma mente mais brutal que a de Paul. Wensicia acha que ter Jéssica em Salusa Secundus vai fazê-los entender como o povo de Caladan se uniu com sucesso ao de Arrakis.

No meio da fuga do verme e dos tigres, Ghanima vê um antigo professor de matemática tido como herege pelo clero, Palimbasha, controlando os tigres laza. Ele era o traidor, ela percebe, enviado pela casa Corrino. Ela monta uma arapuca, envenena o homem e captura a mulher (Muriz) que está com ele.

Jéssica e Idaho chegam a Salusa Secundus e são interrogados por Farad'n. Na página 258 há uma explicação meio corrida sobre o que rolou em Arrakis: Leto morreu, Ghanima sobreviveu mas foi capturada por Alia, Alia disse que se submeterá ao teste de possessão, mas aí tem coisa (obviamente), e uma guerra civil entre fremens do deserto e militares está acontecendo em Duna. Jéssica pergunta se Farad'n matou seu neto, e ele diz que não, apesar de ter descoberto depois do fato que sua mãe, Wensicia, havia armado um complô pela morte dos gêmeos. Ele mostra a Jéssica uma mensagem das Bene Gesserit, que o acusam de ter matado Leto. Jéssica reconhece uma mensagem da Irmandade enviada secretamente a ela.

Farad'n e a mãe brigam feio na frente de Jéssica e Idaho, e Jéssica percebe nisso uma oportunidade a ser aproveitada. Farad'n diz que, mesmo que a morte de Leto tenha lhe favorecido, ele sente muito pela dor que isso possa ter causado a Jéssica. Aí vai dar samba, hein.

 

"O destino passa por todos os lugares".

Jéssica é extremamente fria e calculista e consegue, numa cartada só, virar a confiança de Farad'n para si mesma, consegue sua liberdade e consegue assegurar a segurança do futuro da casa Atreides. Ele sugere que a única forma de Farad'n se reconciliar com as Bene Gesserit é se ele tratar bem Jéssica e libertá-la, a fim de que ela o treine como treinou Paul. Quando ele for treinado, poderá se casar com Ghanima, corrigindo seu erro de matar um Atreides do sexo masculino e tendo filhos com ela, para garantir a continuidade da linhagem Atreides. Isso também o afastaria da influência de Wensicia: é claro que as Bene Gesserit não vão simplesmente esquecer a morte de Leto, elas irão querer que Wensicia seja banida. Duncan diz algo que faz Jéssica pensar que talvez até ela esteja sendo manipulada pelos gêmeos. Parece que é uma arapuca atrás de outra, uma verdadeira dinâmica Death Note no espaço.

O problema é que, mesmo manipulando Farad'n, Jéssica depende 100% dele. Afinal, Alia quer ver a mãe morta nas mãos dos inimigos, e Duncan não tem nenhuma serventia a Alia agora que sequestrou Jéssica, provavelmente será morto se voltar a Arrakis. Jéssica mal pode contar com a ajuda das Bene Gesserit, que ligam mais para o futuro dos genes Atreides do que para uma velha senhora. Farad'n diz que cogitou se casar com Alia, e Duncan corta os pulsos. Médicos aparecem para salvá-lo. Na confusão, Farad'n diz a Jéssica que jamais se casaria com Alia, e que as Bene Gesserit não aceitariam um descendente de Abominação. Para ter certeza de que ele é fiel a ela, Jéssica pergunta se Farad'n banirá a própria mãe, e ele diz que sim.

 

"Quando é explorada além da conta, até mesmo a lealdade finalmente se exaure".

 

Leto consegue fugir com sucesso. Agora entendi o caminho dourado (Secher Nbiw): é a palavra de condicionamento capaz de fazer Ghanima lembrar que Leto vive. Leto se lembra da história sobre o sietch Jacurutu que Stilgar lhe contou: um lugar tabu aonde viviam fremen que matavam outros fremen. Leto pensa que o povo está preso numa das visões mais sombrias de Paul, que via o futuro dos fremen como caos e desgraça, a tal guerra santa, a jihad. Ele acha que deve dar as costas ao pai e consertar este futuro que se aproxima cada vez mais rapidamente. Leto vai tomar alguma decisão importante logo.

Jéssica não entende as motivações de Idaho. Farad'n também o acha uma incógnita. Antes de morrer no primeiro livro, Idaho matara dezenove Sardaukar. Fora revivido como ghola, mas treinado como Mentat. Há algo estranho e curioso nisso. Num ímpeto de desconfiança, Farad'n quase ordena que Jéssica e Idaho sejam levados embora, mas se contém. Ele continua remoendo as decisões e planos ruins da mãe, que jurou banir. Farad'n, como antropólogo e historiador, faz estudos sobre como os fremen têm se descentralizado, que os jovens não entendem mais as tradições e a religião fremen, ficando cada vez mais longe do que é tido como antigo e bom pelos velhos fremen, que ainda se lembram. Ele pensa na Água da Concepção, destilada do tecido amniótico e dada ao recém-nascido como primeira água para beber. Por que Idaho tinha cortado os pulsos?

O Pregador decide fazer uma nova aparição no dia do Kwisatz Haderach, um feriado de quando Paul foi reconhecido como Muad'Dib. Ele vai para a frente do templo de Alia, desafiando a ordem de prisão dada contra ele. Naquele dia, porém, Alia disse aos seus guardas para não prendê-lo, pois ela quer observar de perto para saber se ele é ou não Paul.

 

"A ironia geralmente disfarça a incapacidade de pensar além dos próprios preconceitos".

 

O Pregador faz um discurso sobre como a vida de um dos gêmeos chegou ao fim, mas não usa a palavra morte. Isso leva Alia a desconfiar que talvez Leto não tenha morrido. Quando perguntam ao Pregador se Paul vive, ele usa a palavra morte, diz que ele morreu. O discurso do Pregador é apaixonado, mas inquisitivo. Admito que nem eu tenho opinião formada, não sei se ele é Paul ou não. Afinal, por que ele empregaria o tal rapaz que matou os outros, capítulos atrás? Só se ele for uma chave para Jacurutu, e Paul/Pregador ver isso como forma de se unir a Leto. Mas duvido...

 

"Existir é se destacar, é sair do plano de fundo. Vocês não estão pensando nem existindo de verdade a menos que se disponham a arriscar até mesmo sua sanidade no julgamento de sua existência".

O PREGADOR CHAMA ALIA DE IRMÃ!!!

AAAAAAAAA!AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!

Ao descobrir que O Pregador é Paul, Alia percebe que está completamente sozinha, não tem uma única pessoa a quem contar o fato. Javid? Ela sabe que ele é espião dos Corrino? Jéssica e Idaho conversam, é difícil demais entender a lealdade, o objetivo ou as motivações do espadachim. Ele diz que se juntou ao Pregador e aos Zarr Sadus, povo do deserto que se recusa a se sujeitar aos sacerdotes. Jéssica acha que ele passou para o lado de Farad'n. Duncan Idaho pede que Jéssica o livre de ser serviçal dos Atreides, e ela o faz. Ele diz que vai alertar Farad'n de que Jéssica é uma bruxa que só responde a si e à Irmandade Bene Gesserit. Mas, quando ele sai da sala, pensa que seu plano está funcionando. Qual é seu plano? Toda a conversa perturbou Jéssica profundamente.

Leto vaga pelo deserto em busca de Jacurutu/Fondak, achando que talvez tenha errado nos cálculos, pois tudo parece vazio. Eis que ele é pego numa armadilha, e um homem com a bandeira verde dos Atreides o captura. Leto acha que a voz é familiar, mas não a reconhece. O homem diz que Leto não passa de um depósito de vozes mortas e que a verdadeira educação dele para ser regente começa agora. Alia tem um desentendimento com seus soldados. Ela não quer O Pregador morto, quer que ele seja capturado vivo (afinal, é Paul). Ela parece se arrepender de dar ouvidos a Harkonnen, mas ele já está forte demais em sua mente. Ele diz que a faca de Ghanima é afiada. O que isso quer dizer, exatamente?

O captor de Leto se apresenta como Namri, pai de Javid. O homem diz que será a morte de Leto se ele se recusar a aprender (???).

 

"Você fala como alguém que repete, não como alguém que acredita".

 

Namri está apresentando um jogo de perguntas e adivinhações que pode ser fatal para Leto. Leto responde corretamente, mas parece apenas repetir o que sabe de suas vidas armazenadas. Namri parece cruel, mas diz que dará uma chance de Leto aprender verdadeiramente. Diz que aquele que mandou capturá-lo aparecerá em breve. Leto desconfia que a situação tem algo a ver com as Bene Gesserit.

Jéssica encontra Farad'n para o desjejum. Ele questiona a si mesmo se deve confiar em uma bruxa Bene Gesserit, mas ela "lê" a mente dele e diz que ele confia nele porque o trato deles é bom, e as Bene Gesserit sempre cumprem com sua palavra. Ele quer saber se ela irá treiná-lo nas artes Bene Gesserit, como de "ler" a mente das pessoas, e ela diz que este é o trato entre eles. Ela passa um exercício de visualização para Farad'n, que deve ver suas mãos envelhecerem e se rejuvenescerem. Ele deve aprender paciência. Jéssica vê no rapaz o seu filho Paul, sentindo saudade dele. No fim do capítulo, quando Farad'n está ocupado com o exercício, ela reflete que Duncan e Gurney devem fazer suas partes do plano.

Leto descobre que quem o sequestrou foi Gurney Halleck, de fato Jéssica estava por trás de tudo! Ela quer que Gurney eduque Leto e vai induzi-lo ao transe da especiaria. Recluso em sua mente e com as vidas às quais tem acesso, Leto tem visões da Jihad Butleriana, quando as máquinas de inteligência artificial foram banidas em prol da humanidade.

 

"Nosso jihad é um programa de descarte. Descartamos aquelas coisas que nos destroem como seres humanos".

 

"Ao fazer o bem, evite a notoriedade. Ao fazer o mal, evite a autopercepção".

 

Leto mergulha cada vez mais dentro da percepção estroboscópica, e assimila as vozes dentro de sua cabeça como dele, completamente dominadas.

 

"Não existe um único conjunto de limites para todos os homens".

 

Os defensores dos arquétipos piram.

Ao fim, Leto chega a pedir que Namri o mate, mas o homem traiçoeiro não o faz. Leto diz que não houve grandiosidade moral na vida de seu pai, que viveu numa armadilha montada por ele mesmo.

Alia diz a Ghanima que ela deve se casar com Farad'n, e a menina obviamente repudia a ideia, pois pensa que ele matou Leto. Alia quer esse casamento para que o povo fremen odeie Ghanima, afinal, como ela poderia se casar com o inimigo? Alia sabe que Ghanima não é apenas uma criança, mas a trata assim numa tentativa de aliená-la. Irulan até tenta usar a Voz com Ghanima, o que a deixa irada. As três brigam, e Ghanima diz que matará Farad'n se eles ficarem sozinhos numa sala. Depois de muita conversa, Ghanima aceita se casar, sabendo que isso dará sua chance de vingança. Alia começa os preparativos, e Ghanima diz que não confia em Irulan, que é tia de Farad'n, e que ela deve ser vigiada. Ghanima pensa que ela devia ter morrido no lugar de Leto.

Na página 337, o capítulo é aberto com uma citação que diz que ninguém se preocupou em perguntar aos gêmeos Atreides o que eles queriam. Jéssica queria se redimir com as Bene Gesserit, Alia estava interessada na genética (Harkonnen, na vingança), o clero queria poder, Farad'n e os Sardaukar queriam recuperar a glória dos Corrino, a CHOAM temia que a mélange só pudesse existir em Arrakis... enfim, todos tinham seus objetivos, todos precisavam dos gêmeos.

Leto está sendo alimentado com quantidades enormes de mélange, fica cada vez mais suscetível ao transe. Ele tem uma percepção de que a Missionária Protectors previu a existência de Propósitos Terríveis, e que seu pai, Paul, também viu isso em suas visões. Quando Gurney e Namri voltam, Leto fala a eles sobre como a guerra é mais necessária que a paz neste momento. Ele acha que a paz é a manutenção de um modo de vida, e o modo de vida atual está errado, então a guerra deve ressurgir. Leto concorda em ajudar Jéssica e as Bene Gesserit em sua missão genética. Leto está em contato com Paul dentro de si, mas não é como Harkonnen, que domina Alia. Leto tem total domínio sobre si e suas vozes.

Farad'n, após oito dias, conseguiu entender que a mente de domina a realidade, não o contrário. Sua percepção é mais importante do que é objetivo. Jéssica lhe passa mais algumas lições sobre controle corporal. Parece que ela está tentando ganhar tempo.

Leto continua tendo transes por causa de ser forçado a ingerir muito mélange. Ele debate com Leto I, com o pai e com Harkonnen, finalmente compreende o que aconteceu a Alia quando ela se entregou à mélange, mas ele tem muita força de vontade para renegar os efeitos dela em si.

 

"Não é o presente que influencia o futuro, seu tolo. É o futuro que forma o presente. Percebeste tudo às avessas. Como o futuro está determinado, o desenrolar de eventos que assegure esse futuro é inevitável".

 

Halleck teme que tenham dado muito mélange a Leto, mas Namri diz que não. O meme do "mlk transcendeu" se torna real. Ao despertar, Leto conversa com Sabiha, sobrinha que Namri. Ela está ali para vigiá-lo e até para matá-lo, se for preciso. Ele diz que sonhou com ela e com o futuro, que viu que o dragão do deserto desaparecerá se Duna continuar assim. Isso quer dizer que a existência de Shai-hulud, o verme da areia, está em perigo. Sabiha não acredita muito em Leto, e ele diz que num dos futuros ele viu os dois "entrelaçados no amor", mesmo que Sabiha seja oito anos mais velha (ou seja, ele tem 9 anos, ela tem 17. Deus me dibre, se uma criança de nove anos me falasse isso eu ia correndo pros pais dela).

Leto viu a morte de um "amigo", uma morte que ele pode impedir, mas não deve. Pensa em entregar sua irmã "a um monstro". Não sei bem o que essas palavras significam. Ele fala de Alia como o monstro? De Duncan ou de Stilgar como amigos? Ghanima lembra de uma conversa com a avó Jéssica sobre as Abominações e sobre Alia, e a menina contou que Leto tinha medo da especiaria, tinha aversão às Aberrações. Irulan aparece e interrompe os pensamentos de Ghanima. Diz que Farad'n aceitou o casamento, mas que adiou a cerimônia e não disse por quanto tempo. Ele vai devolver Duncan, mas Jéssica optou por ficar em Salusa Secundus. Irulan ainda quer dissuadir Ghanima de seu plano de matar Farad'n. Ghanima nota as semelhanças entre Shaddam IV e Farad'n (e Irulan). Irulan realmente parece amar Ghanima como uma filha, mas a menina é irredutível: vai matar Farad'n e banir Irulan para outro lugar. Apesar de tudo, Ghanima também parece amar Irulan, de alguma forma.

Leto continua cativo e sendo alimentado com mélange. Ele acha que Sabiha existe ali para ser a futura esposa dele, não sei se ele só está muito louco de especiaria ou se realmente faz sentido. Eu acho que esse livro seria menos esquisito se os gêmeos tivessem a idade do Paul em Duna, uns 14 para 15 anos, e não nove.

Parece que Leto consegue enganar o hipnotizar Sabiha e ele foge. Halleck e Namri estão preocupados, Namri pensa que não se importa se Leto vai morrer desidratado ou esmagado por uma tempestade de areia, mas quer recapturar o garoto. Halleck parece achar essencial trazer o menino de volta. Qual o objetivo de Leto ali, afinal? Duncan volta a Arrakina e Alia não está nada feliz com as novidades sobre Jéssica e Farad'n. Alia não confia mais em Duncan pois percebe que ele é leal as Atreides, e ela não é mais Atreides. Eles se despedem e ele entra num tóptero, começa a chorar convulsivamente ao perceber que Alia está morta, e que apenas seu corpo possuído vive. Ele também percebe que provavelmente será levado a morrer num "acidente" no futuro próximo.

Leto tenta enganar Halleck ao controlar um verme da areia para ir em direção a uma tempestade sem ele. Leto está muito determinado em acabar com a religião do nome de seu pai, acredita que ela é baseada em mentiras. Jéssica fala sobre Paul para Farad'n, especificamente sobre seu poder de ver o futuro, que não era exatamente um poder.

 

"A vida é uma máscara através da qual o universo se manifesta".

 

Aparentemente o tempo passou e o treinamento de Farad'n como Bene Gesserit foi concluído. Ele não é mais um Corrino, ou Sardaukar. Faz parte da Irmandade. Leto está vagando dificultosamente pelo deserto. Ainda busca Jacurutu? No meio da peregrinação, encontra Muriz.

O homem parece se compadecer de Leto, mas também teme que ele esteja possuído por um demônio. Estou confusa... ele não sabe quem Leto é? Leto diz saber que aquele lugar é Shuloch (Jacurutu), um lugar mitológico aonde os contrabandistas ficam protegidos. Ele engana Muriz e lhe aponta a dagacris. Pera, acho que Muriz era o pai do adolescente que andava com O Pregador. Estou bem confusa com esses nomes. Mas Leto convence Muriz a levá-lo para Jacurutu, e é bastante honesto quanto à questão da possível extinção dos vermes da areia. Muriz leva Leto até Shuloch/Jacurutu/Fondak, e ele pensa que o lugar é muito grande e poderoso para simplesmente passar desapercebido, deve haver gente de altos escalões que protegem a existência desses lugares (é a casa do contrabando, afinal).

Leto vê que estão tentando criar trutas e vermes da areia de forma artificial, sem a atmosfera de Arrakis, mas o garoto diz a Muriz que esses esforços são em vão, pois jamais conseguirão fazer isso fora de Duna. Leto reencontra Sabiha, e ela sente ódio por Leto tê-la enganado e fugido quando ela vigiava. Quando Leto chora pelo destino dos fremen, Muriz realmente fica surpreso, pois é um fremen "raiz", e chorar é um desperdício de água.

Halleck e Namri discutem. Namri revela que sabe onde Leto está (Sabiha lhe contou), mas não diz onde e qual o estado do menino. Halleck precisa de respostas para levar a Jéssica, e também se preocupa com a vida de Leto. Os dois se desentendem e Namri tenta matar Halleck, mas ele é mais esperto e mata Namri com sua dagacris. Ele esconde o corpo do fremen e rouba seu manto, planejando sair dali disfarçado de fremen.

Ele pensa no plano complicado de Jéssica que ele sequer entende (e nem eu), e no perigo em que Alia se tornou. Leto reflete que o povo daquele sietch é uma mistura das tradições fremen mais antigas com a tecnologia moderna trazida para Arrakis. Muriz quer induzir Leto a ter alguma visão específica. Leto quer convencer Sabiha a não forçá-lo a ingerir o mélange. Ela parece querer confiar nele, mas também não quer mais ser punida.

Leto fica sozinho e sente as trutas da areia ao seu redor (eu realmente não me lembro dessas criaturas sendo mencionadas nos livros anteriores). Leto parece estar deixando as trutas envolverem seu corpo, como se ele quisesse ser um molde para um verme da areia, já que várias trutas unidas formam o verme. Em sua forma de humano/verme/truta, Leto encontra um verme. Por causa do revestimento de água natural das trutas, o verme recua de medo da criatura em que Paul se tornou. E chamam Alia de aberração, Jesus Cristo... Leto não é mais humano. As trutas formam um trajestilador natural, mas INATURAL PELO AMOR DE DEUS QUE LOUCURA!!!

É a capa do quarto livro!!

Como uma espécie de Godzilla, Leto vai destruir os sietchs a trazer Arrakis de volta ao seu estado desértico, perfeito para os Shai-hulud. Alia tenta recitar a litania contra o medo das Bene Gesserit, mas Harkonnen a impede. Ela recebe relatórios de guerra civil das pessoas se voltando contra a religião de Muad'Dib. Alia recebe relatórios de Muriz (!!!) que dizem que ele viu uma criança que se diz Leto fugindo como um verme pelo deserto, mas Alia conferiu a versão da morte de Leto pelas garras dos tigres laza com Ghanima, e acredita no que a menina relatou a um proclamador da verdade. Alia debate com Harkonnen, eles parecem estar em atrito e ele a machuca com dores de cabeça.

Essa criatura em que Leto se transformou é o que Paul temia e do que ele fugiu. Por ter fugido de seu destino, Paul se tornou o Pregador. Leto vê um verme da areia se aproximando e manda que pare. Neste verme há duas pessoas montadas: o jovem guia e o Pregador.

O Pregador fica chocado e com medo ao perceber o verme parando, o guia diz que o menino não é Leto, mas um demônio usando a voz de uma criança. Pai e filho conversam. Leto diz que Assan Tariq é perigoso, mas Paul diz que não é para ele. Leto se juntou inteiramente ao deserto e às criaturas dele. Leto dá títulos a Paul: "Você é fil-haquiqa, A Realidade. Você é Abu Dhur, o Pai das Indefinidas Estradas do Tempo".

O pai renega os títulos.

Eles debatem mais, Paul resiste em aceitar o destino que o filho abraçou sem chance de retorno. Leto mata Tariq e diz que agora Paul não tem escolha, terá que aceitá-lo como guia e ficar longe de Shuloch. Esse evento no tempo é um marco completo que cria um novo destino para o universo (página 434). Os dois conversam sobre o futuro, a guerra santa, e Paul tenta dissuadir o filho de todo modo. Mas Leto já decidiu criar um novo destino para a humanidade (literalmente, quer salvar os humanos da extinção, algo que as Bene Gesserit preveem). No fim, Paul aceita as palavras do filho, mas deixa de ser Muad'Dib para sempre, e agora só existe o Pregador.

Stilgar é minha alma gêmea porque ambos gostamos de passar a noite acordados. Stil e Idaho ficaram acordados juntos fazendo planos. Idaho quer que Stil pegue Ghanima e fuja na direção contrária de Alia o mais rápido possível.

 

"Bons súditos devem sentir culpa. A culpa começa como uma sensação de fracasso. O bom autocrata fornece muitas oportunidades de fracasso para seu povo".

 

Idaho tenta de todo jeito convencer Stilgar a testar Alia para ver se ela está possuída, mas o fremen diz que isso não é importante agora. Idaho teme que todos achem que ele é apenas um marido traído buscando vingança por ser corno, mas Stil não pensa nisso. Ele até garante estar reprimindo sua aversão natural de fremen aos Mentats. Ele apenas não acha que é algo urgente (e o que mais seria?!). Javid aparece. Idaho perde a paciência por ser tão ignorado e dá uma peixeirada no peito de Javid, matando-o. Stilgar fica puto, pois aquele é um território neutro, mas Idaho tem muito a dizer.

 

"Colocaram uma coleira em você, Stilgar! [...] Você é um servo que vendeu gente fremen pela água deles! [...] Você não tem imortalidade, Stilgar. Nenhum dos seus descendentes tem o seu sangue!".

 

CARALHOOOOOOO. O Duncan literalmente deixou Stilgar matar ele, suas últimas palavras são de foder: "Duas mortes para os Atreides, a segunda por nenhum motivo melhor que a primeira".

Ao fazer Stilgar matá-lo, Idaho obriga Stil a fugir, pois Alia não pode aceitar publicamente a morte de seu marido pelas mãos de Stilgar sem declarar vingança, já que é o que um fremen faria. Ele junta suas esposas e Ghanima e vai fugir para o deserto. Talvez Irulan vá também. Gurney Halleck é aceito em um sietch nomeado em homenagem a Esmar Tuek. Estou meio perdida quanto aos objetivos dele nesse ponto da narrativa.

Um servo chamado Agarves Buer vai até Alia e lhe conta sobre a morte de Javid e Idaho, e ela não sente luto por nenhum dos dois, ainda que queira entender a situação, principalmente como Stilgar pôde ser o responsável por matar Idaho. Alia coloca Buer como responsável por trazer a cabeça de Stilgar. Ao dispensá-lo, ela chora por Duncan, o que a surpreende. Harkonnen faz troça de suas lágrimas, e Alia tenta ignorá-lo, mas isso lhe dói ainda mais.

Ghanima (e Stilgar e os outros, provavelmente) estão há 11 meses fugindo, agora estão numa cidade/sietch abandonada, e já ouviram falar do Demônio do Deserto (Leto, mas ela não sabe). Esse demônio destrói muitas cidades no deserto (devolvendo-o a Shai-hulud?). Há cerca de 60 pessoas com Stilgar, que fugiram com ele depois que ele matou Duncan Idaho. Alguns acham que quem está destruindo os qanats (canais de água) é um grupo revolucionário que quer destronar Alia e fazer Arrakis voltar a ser o que era antes de Muad'Dib. E muitos fremen acham isso algo bom. Ghanima descobre que Stilgar pretende encontrar Buer, o fremen que o está caçando, para negociarem. Ela não gosta nada disso e se arrepende de ter vindo com Stilgar, mas algum instinto nela diz que está no caminho certo (uma lembrança de Leto, sem realmente se lembrar).

Gurney Halleck está com Leto e o Pregador. Ele conversa com Leto e diz que o menino não deixou que ele terminasse o teste que Jéssica queria fazer, mas Leto diz que não é necessário testá-lo e que ele não está possuído (ele possui, afinal). Halleck e O Pregador debatem sobre Leto (Halleck ainda não percebeu que fala com Paul). O Pregador diz que ele resistiu a Leto como criatura personificadora de Shai-hulud, mas agora ele o aceita e o acha necessário para o futuro da humanidade. Halleck entende que O Pregador é Paul, mas Paul insiste que seu passado como Paul Atreides está morto e enterrado, que ser um deus vivo o destruiu.

 

"Ser um deus pode acabar se tornando muito tedioso e degradante no fim. Haveria motivos suficientes para a invenção do livre-arbítrio! Um deus poderia sentir vontade de se refugiar no sono e só permanecer vivo nas projeções inconscientes de suas criaturas-sonho".

 

Os fremen presentes perguntam se O Pregador é mesmo Paul, mas ele insiste que essa identidade não existe mais. Leto coloca ordem na casa se proclamando Shai-hulud encarnado, ameaçando destruir o sietch se os fremen contarem que O Pregador esteve ali. Paul, Leto e Gurney parte. de tóptero, e agora Gurney sabe que o "verdadeiro teste" será com Farad'n.

Ghanima espia a negociação entre Stilgar e Buer. Buer diz que Alia perdoa Stilgar e que quer que todos voltem a sietch Tabr, pois ele será um naib lá. Stil parece duro ao negociar, mas Ghanima sente que ele pode ceder. Buer diz que Alia quer que Ghanima volte e honre sua promessa de casamento com Farad'n, e a menina percebe que é um ardil de sua tia. Nesse momento, um adulto a droga e a leva para algum lugar. Um sequestro!

Uma ótima citação sobre as armadilhas de prever o futuro na página 477.

Leto pensa no futuro longamente pela trocentésima sétima vez. Ele quer voltar para Arrakina e ver Alia e Farad'n, pois o rapaz Bene Gesserit e ex-Sardaukar aparentemente representa algo importante. Leto quer ir com O Pregador, que aceita o convite.

Faltam 30 páginas pro fim do livro e eu não faço ideia de como o Frank Herbert vai resolver essas tretas.

Alia vai receber Farad'n. É revelado que Stilgar matou Agarves, mas que os espiões que o homem levara capturaram Ghanima, Stil e Irulan. Ué, seria muito mais proveitoso ver isso numa cena do que numa frase??? Cadê a cena, Frank Herbert?

Sabendo que Farad'n vai aparecer com Jéssica, Alia pede que sua serva, Zia, busque Ghanima, e que a traga vestida de noiva, com a faca cerimonial. Também quer que ela traga O Pregador, que foi visto mais cedo em Arrakina falando abobrinhas. Alia quer que Ghanima e O Pregador entrem na sala juntos para ver Farad'n e Jéssica. Farad'n e Jéssica aparecem e o discurso do Pregador é cada vez mais alto e ribombante. Quando ele acusa Alia de ser uma Aberração, a multidão entra em polvorosa e vão até ele, carregando-o, até que um braço vestido de amarelo levanta uma dagacris e a finca no peito do Pregador, matando-o. Isso perturba Alia, mas nem Jéssica parece surpresa ou abalada com o acontecimento.

Eis que Leto e Ghanima aparecem literalmente derrubando uma porta. Ghanima parece em transe, vestida de noiva e com a dagacris cerimonial. Leto, de trajestilador que esconde sua identidade nova de Shai-hulud, anuncia aos dois como Ari e Aryeh, o Leão e a Leoa dos Atreides. Ao falar do Caminho Dourado (Secher Nbiw), Leto desperta Ghanima, que lembra que o irmão não morreu de verdade. Agora que Ghanima se lembra que Leto não morreu, não sente mais desejo de vingança contra Farad'n, o que lasca o plano de Alia.

Desesperada, Alia ataca Leto, mas ele é poderoso demais e ela apanha. Leto não quer matar a tia, e diz a ela que não é tarde demais, que ele e Ghanima podem ajudá-la a se livrar da possessão e recuperar sua mente. Mas Alia não quer, ou Harkonnen é forte demais, e a desestabiliza na frente de todos, fazendo com que os guardas fremen percebam que ela está possuída. Não tem mais volta para Alia. Porém, num último ímpeto de humanidade, Alia readquire controle sobre si mesma. Assim como matou Harkonnen com o gom jabbar quando era apenas uma criança, Alia se atira da janela, matando o barão de novo, desta vez para sempre. Um sacrifício digno de uma das minhas personagens favoritas dessa saga, até chorei kkkkkkkkk.

Uma semana se passou. O casamento entre Farad'n e Ghanima ainda está de pé, ainda que não exista mais motivo político para ele acontecer, agora que Leto provavelmente assumirá o trono. Farad'n acha que Leto irá tirar a segunda pele, mas eu acho que Leto vai se unir ao deserto e largar qualquer tipo de cargo político. Ghanima conta a Farad'n que Leto terá cerca de 4 mil anos de império antes de morrer. Stilgar diz a Jéssica e Ghanima que ele pretende voltar com seu povo ao deserto. Ghanima diz que o deserto e os vermes estão morrendo, e que a única forma de voltar aos velhos tempos dos fremen é se Stil aceitar o império de Leto.

Segundo Ghanima, Leto Shai-hulud é o único capaz de reconstruir o deserto. Ele controlará a especiaria e reconstruirá o império. Stil acha que os Atreides ainda querem os fremen como vassalos, e Farad'n vê que seu casamento com Ghanima servirá para lhes dar os Sardaukar, além de que Ghanima provavelmente terá que procriar com Leto para ter os filhos que as Bene Gesserit tanto planejam. Os vermes morrerão e a humanidade viverá tempos escassos, mas depois disso o Caminho Dourado finalmente chegará.

O capítulo final. Leto demonstra a todos como é imortal, deixando clara sua dominância. Jéssica percebe que tudo o que aconteceu, desde a possessão de Alia até Farad'n se tornando Bene Gesserit e todas as mortes, tudo foi planejado milimetricamente entre os gêmeos.

Morto, a água de Paul é guardada numa ânfora perto do Trono do Leão, de Leto. Farad'n se adapta bem à nova situação, pois nem queria governar mesmo. Tyekanik e Stilgar formam uma parceria de desconfiança. Stilgar e Leto conversam, Stil não entende muito bem as coisas místicas, mas se sente quebrantado pelas palavras sobre Muad'Dib e seus erros que serão consertados pelo Imperador Deus Leto. Farad'n se tornou escriba de Leto, muito mais apropriado para o que ele queria.

Eles conversam, e Leto lhe explica que não é uma Abominação, não é Paul e nem Leto II, mas uma mistura de todas as vozes, almas e personalidades a que tem acesso. Fala de Harum, que comandou uma dinastia passada que durou três mil anos.

 

"Será que minha avó não o alertou a respeito do infinito? Ele nos atrai como um holofote à noite, deixando-nos cegos para os excessos que é capaz de infligir ao que é finito".

 

Leto não pode ter filhos pois é literalmente uma criatura mística do deserto, mas ele quer se casar com Ghanima e quer que Farad'n tenha filhos com ela, procriando para os Atreides. Leto, que viverá 4 mil anos, moldará esses descendentes de acordo com a necessidade da humanidade ao longo do tempo. Leto renomeia Farad'n como Quebra-do-Hábito, ou Harq al-Ada, aquele que escreveu metade das citações de início de capítulo deste livro. Farad'n aceita seu destino e dá os Sardaukar a Leto, que faz um último aviso de que, mesmo mudado, ele e Ghanima ainda são como um.

Alguém tinha que aceitar a agonia, e Leto era mais forte.

________________________

É isso por hoje, galerinha! Daqui uns dois ou três meses lerei o quarto livro e voltarei com mais um resumo aqui no blog. Até lá!